Palmeirenses protagonizam cenas de selvageria

A provocação dos jogadores do Santo André, fazendo gestos de banana para os torcedores do Palmeiras, irritando a torcida adversária causou uma grande confusão na final da Copa São Paulo de Juniores, vencida pelo time do ABC paulista, nos pênaltis. Na saída do estádio, os torcedores do Palmeiras, principalmente da torcida uniformizada Macha Verde, tentaram arrombar um portão, para invadir o gramado, mas foram contidos pela Polícia Militar. Foi quando teve início um grande confronto entre os palmeirenses e os policiais. O local se tornou uma verdadeira praça de guerra. O policiamento não conseguiu inicialmente conter os torcedores. Cerca de 20 policiais tiveram que se esforçar para superar a pressão dos torcedores. A confusão continuou em frente ao estádio, na Praça Charles Muller, onde os Pms atiraram bombas de gás lacrimogênio e tiros de borracha para conter os ânimos. Pais com crianças se refugiavam e corriam para longe do local. Ao deixar o local, os palmeirenses foram quebrando o que viram pelo caminhoi, como, por exemplo, os carros estacionados na proximidades do estádio foram depredados e pessoas atingidas por pauladas e pedras. O saldo final apresentou cinco policiais feridos com escoriações, um deles - tenente Fiore - com um corte na cabeça, que sangrava muito. Mas ele próprio comemorou a ação positiva dos policiais que, segundo ele, agiram apenas para manter a ordem. "Situações assim são delicadas. Mas conseguimos conter a fúria dos torcedores", comentou. Vários torcedores foram detidos, mas liberados após identificação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.