Pane elétrica em empresa de dados do governo paralisa serviços por 8h em SP

Falha na infraestrutura do prédio da Prodes prejudicou registro de boletins de ocorrência, licenciamento de carro e emissão de CNH em todo o Estado nesta terça; empresa disse que problema seria 100% normalizado a partir desta quarta

O Estado de S. Paulo

17 Setembro 2013 | 22h53

Uma pane elétrica na Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo (Prodesp) interrompeu por mais de oito horas ontem diversos serviços em órgãos estaduais, como registro de boletins de ocorrência e emissão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), afetando milhares de pessoas em todo o Estado. Segundo a estatal, o sistema estaria 100% normalizado na manhã desta quarta-feira.

Segundo a Prodesp, a falha ocorreu na infraestrutura elétrica do prédio da empresa, em Taboão da Serra, Grande São Paulo, às 10 horas, e obrigou o desligamento preventivo do Data Center (centro de processamento de dados), suspendendo todos os serviços ligados à rede. Entre os órgãos afetados estão o Departamento Estadual de Trânsito (Detran), a Polícia Civil, o Poupatempo, a Secretaria da Fazenda, a Ouvidoria e a Defensoria Pública.

A Prodesp informou que o problema foi corrigido por volta das 14 horas, mas o grande volume de dados que a companhia movimenta impediu que o sistema voltasse ao normal rapidamente. "Todas as ações foram tomadas para a recuperação gradativa do sistema, que aconteceu a partir das 18h30", informou a empresa em nota.

Não foi o caso do Poupatempo da Lapa, na zona oeste da capital, onde o gerente comercial Adonis Lykouropoulos, de 37 anos, não pôde pagar a taxa para fazer o licenciamento de seu carro, no início da noite, por causa da pane no sistema da Prodesp. "Saí do trabalho, na Barra Funda, peguei um baita trânsito, levei 45 minutos para chegar aqui e perdi a viagem."

Já a supervisora de vendas Patrícia Borges, de 35 anos, deixou o mesmo ponto de atendimento frustrada sem conseguir renovar sua CNH e tirar a segunda via do RG. "Desci do ônibus à toa, porque está sem sistema. Mandaram ligar na quarta para ver se voltou ao normal."

Segundo a Secretaria de Gestão Pública, cerca de 9,2 mil CNHs e 14 mil RGs são expedidos diariamente pelo programa em todo o Estado. Nesta terça, no Poupatempo, apenas a entrega de documentos e atendimentos manuais, como Carteira de Trabalho, e de órgãos como os Correios, Sabesp, Serasa, JEC (Juizado Especial Cível), Procon, Creci e Receita Federal, foram feitos normalmente.

Segundo a Polícia Civil, o atendimento nos distritos de todo o Estado também foi prejudicado e se deu prioridade para ocorrências de urgência, como flagrantes e requisições de perícia. O sistema começou a voltar nas delegacias somente às 20 horas.

No 32.º DP (Itaquera), zona leste da capital, um flagrante de tráfico de drogas e um acidente de trânsito com vítima foram registrados manualmente, segundo a equipe do distrito, enquanto que nos demais casos as vítimas foram orientadas a voltar outro dia. O sistema de boletim de ocorrência pela internet também ficou fora do ar.

Interior. Em Sorocaba, mais de 200 escritórios de despachantes não puderam trabalhar por falta de acesso aos dados sobre veículos, multas, prontuários dos motoristas e acompanhamento dos serviços eletrônicos. "Foi um dia perdido, pois 95% dos nossos serviços dependem das operações da Prodesp", disse o despachante Felipe Melo Garcia,

Com a carteira de habilitação vencida, o motorista Luiz Alberto Duarte foi à Ciretran local e não conseguiu fazer a renovação. "Preciso viajar e vou recorrer a algum amigo para dirigir por mim", contou.

Quem procurou o Poupatempo para fazer documentos ou a Polícia Civil para registrar um boletim de ocorrência em Campinas também perdeu viagem. "Vim de Monte Mor para tirar minha carteira de motorista em Campinas. Fui até o Poupatempo do shopping e agora estou aqui no centro, mas fui informado que o sistema estava fora do ar", afirmou o motorista Irineu Marchetti, de 42 anos.

"Muita gente que teria aula não pôde fazer e teve bastante gente que reclamou que não conseguiu pagar o IPVA. Caminhoneiros cujo imposto vencia na terça estão sem saber se agora pagarão com multa", disse o despachante Tiago Doná, sócio de uma autoescola. / ANTONELLA ZUGLIANI, BRUNA ALMEIDA, ESPECIAIS PARA O ESTADO, FABIO LEITE, JOSÉ MARIA TOMAZELA e RICARDO BRANDT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.