Alessandra Tarantino/AP
Alessandra Tarantino/AP

Papa aceita renúncia de prefeito da Secretaria para a Comunicação

Monsenhor Dario Eduardo Viganò vinha fazendo revolução na área, com concentração de toda mídia do Vaticano no mesmo setor

José Maria Mayrink, O Estado de S.Paulo

21 Março 2018 | 22h17

SÃO PAULO - O papa Francisco aceitou nesta quarta-feira, 21, o pedido de renúncia de monsenhor Dario Edoardo Viganò, o poderoso prefeito da Secretaria para a Comunicação da Santa Sé que vinha fazendo uma revolução na área, com a concentração de toda a mídia do Vaticano no mesmo setor e sob uma única orientação.

+++ Papa Francisco telefona para mãe de Marielle

"Nesses últimos dias houve muitas polêmicas acerca da minha função, que, além das intenções, desestabiliza o complexo e o grande trabalho de reforma que o senhor me confiou, em junho de 2015, e que vê agora cumprir a reta final, graças à contribuição de muitas pessoas, sobretudo dos funcionários", disse Viganò ao apresentar a renúncia.

+++ Vaticano divulga trailer de filme sobre o papa

A controvérsia começou no dia 12, na apresentação de uma série de livros, de dez volumes, com o título A Teologia do papa Francisco, para a qual Viganò havia pedido uma reflexão do papa emérito Bento XVI. O prefeito para a Comunicação publicou trechos selecionados do texto, mas omitiu a reflexão que Bento XVI fazia sobre eles.

+++ Papa nomeia arcebispo de Uberaba para ‘governar’ diocese do bispo preso

A Secretaria para a Comunicação, que tem o mesmo nível das congregações ou ministérios da Cúria Romana, conta com 620 funcionários. Desde esta quarta-feira passou a ser dirigido pelo monsenhor Lucio Adrián Ruz, até a nomeação do novo prefeito, informou o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, jornalista Greg Burke.

Viganò, de 55 anos, nasceu no Rio de Janeiro, mas é também cidadão italiano. Ele teve dois encontros com o papa nos últimos dias para tratar de seu afastamento do cargo. Francisco lamentou a decisão e, ao aceitar a renúncia, pediu que ele continuasse trabalhando como assessor na secretaria. Suas novas funções ainda não foram definidas.

Ao apresentar a renúncia, Viganò lembrou a Francisco que ele havia advertido, ao receber felicitações da Cúria, no Natal de 2016, que "a reforma será eficaz somente e exclusivamente se for implementada com homens renovados e não simplesmente com novos homens".

Fonte próxima de Viganò na Rádio Vaticano comentou que, ao entrar em polêmica com o prefeito para a Comunicação, alguns membros da cúpula da Igreja pretendem atingir o papa.

Os meios de comunicação incluem a Rádio do Vaticano, emissora de TV, vídeo, cinema, sala de imprensa, boletins diários de notícia, o jornal oficioso Osservatore Romano, a Editora Pontifícia e o órgão oficial Acta Apostolicae Sedis, publicado em latim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.