ACERVO/ESTADÃO
ACERVO/ESTADÃO

Papa canoniza Oscar Romero e Paulo VI

Cerimônia na Praça de São Pedro reunirá neste domingo, 14, peregrinos do mundo inteiro. Mais cinco beatos, todos europeus, serão proclamados santos

José Maria Mayrink, ENVIADO ESPECIAL / VATICANO

13 Outubro 2018 | 17h37

O papa Francisco vai canonizar neste domingo, 14, durante a celebração de missa solene na Praça de São Pedro, no Vaticano, Paulo VI, d. Oscar Romero e mais cinco beatos europeus. Entre eles está Nunzio Sulprizio, um jovem de 19 anos que nasceu em Pescara, na Itália, e foi operário e aprendiz de ferreiro. A cerimônia está marcada para as 10h30 no horário local (5h30 em Brasília).

A Oficina para a Canonização, da Arquidiocese de San Salvador, capital de El Salvador, da qual d. Oscar Ranulfo Romero y Galdamez foi arcebispo por pouco mais de três anos, organizou uma caravana para assistir à celebração. Deverão participar quase 7 mil romeiros saídos de El Salvador, segundo o cardeal salvadorenho Gregorio Rosa Chavez. Esses peregrinos estão alojados em hotéis e casas religiosas em Roma.

O maior número do público será formado por devotos do Norte da Itália, da região de Brescia e de Milão, onde Giovanni Montini exerceu o apostolado, antes de ser eleito papa em 1963, quando assumiu o nome de Paulo VI. Espera-se uma multidão próxima de um milhão de fiéis, somando-se as caravanas de devotos de todos os novos santos. A cerimônia de canonização de São João XXIII e de São João Paulo II, em 2014, reuniu aproximadamente 800 mil pessoas, segundo estimativas do Vaticano. 

Falecido em Castelgandolfo, aos 80 anos, em 6 de agosto de 1978, após 15 anos de pontificado, Paulo VI foi beatificado pelo papa Francisco, com a presença do papa emérito Bento XVI, em 19 de outubro de 2014. Seu corpo está sepultado na Basílica de São Pedro em um túmulo simples, como pediu em seu testamento.

Já d. Oscar Romero foi beatificado em maio de 2015. O papa Francisco empenhou-se pessoalmente em seu processo de canonização, que vinha sendo mantido em banho-maria na Congregação para as Causas dos Santos durante os pontificados de João Paulo II e de Bento XVI. Como mártir, ele não precisaria do reconhecimento de um milagre para ser declarado santo, mas foi apresentado um: a cura uma mulher que sofria grave risco de morrer de parto.

Os bispos de El Salvador pediram que Oscar Romero fosse canonizado em San Salvador ou na Cidade do Panamá, onde Francisco participará, em janeiro, da Jornada Mundial da Juventude. Como não poderia viajar a El Salvador e não queria encaixar a canonização na Jornada, o papa marcou a cerimônia para a Praça de São Pedro. 

Ao contrário dos beatos, que têm culto limitado, os santos podem ser venerados no mundo inteiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.