Tiziana Fabi/AFP
Tiziana Fabi/AFP

Papa convoca CNBB e demais conferências para tratar de abuso sexual

Reunião deverá contar com presidentes de 100 colegiados para discutir como evitar crimes e proteger crianças

O Estado de S.Paulo

12 Setembro 2018 | 16h22

CIDADE DO VATICANO - Ainda sob pressão das acusações de que teria conhecimento de abusos praticados por sacerdotes católicos, o papa Francisco convocou os presidentes de todas as conferências episcopais do mundo para uma inédita cúpula em fevereiro de 2019. A reunião será realizada para discutir a prevenção do abuso sexual e proteção das crianças. A decisão foi anunciada pelo conselho de cardeais, que Francisco nomeou em 2013 para ajudá-lo no governo e na reforma da Cúria Romana, um dia antes de o papa se encontrar com bispos dos Estados Unidos. 

Há duas semanas, o ex-embaixador do Vaticano nos Estados Unidos, Carlos Maria Viganò, acusou o pontífice de acobertar o cardeal e arcebispo emérito de Washington, Theodore McCarrick, de 88 anos. Ele é acusado de cometer abusos sexuais em uma série de episódios que remontam ao início de sua carreira religiosa, há quase 50 anos, quando era padre na arquidiocese de Nova York.

No início deste ano, Francisco enfrentou a pior crise de seu papado, quando desacreditou as vítimas de um padre chileno acusado de abuso sexual. Mais tarde, o pontífice admitiu ter cometido "sérios erros de julgamento", por não saber de uma "cultura de encobrimento". O caso também terminou de forma inédita, com a renúncia de todos os bispos da conferência chilena.

A reunião desta quinta-feira, nos Estados Unidos, será dirigida pelo cardeal Daniel DiNardo, presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos, e também incluirá o principal conselheiro papal para o assunto, o cardeal Sean O'Malley. O'Malley é responsável pela comissão pontifícia de proteção a menores, que na semana passada anunciou um projeto-piloto de escuta de vítima no Brasil.

Em 2011, a Igreja já havia ordenado que cada conferência episcopal do mundo, o colegiado de todos os bispos em um determinado país (como é o caso da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) desenvolvesse diretrizes para evitar o abuso de menores e adultos vulneráveis. As diretrizes deveriam especificar como os bispos devem cuidar das vítimas, punir os infratores e manter os acusados fora do sacerdócio. Embora a maioria das conferências tenha seguido a ordem, algumas, particularmente na África, não o fizeram, citando falta de recursos ou outros impedimentos.

A própria Cidade do Vaticano não tem essa política, embora a Santa Sé tenha prometido às Nações Unidas há cinco anos que estava desenvolvendo um "programa de ambiente seguro" para proteger crianças dentro de seu território. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.