REUTERS/Ettore Ferrari/
REUTERS/Ettore Ferrari/

Papa diz que proibição de ordenação de mulheres como padres é eterna

Declaração de Francisco ocorreu no retorno de viagem da Suécia, em que foi recebido pela líder da Igreja Luterana; ele citou posição de João Paulo II

O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2016 | 23h03

SÃO PAULO - A proibição de ordenação de mulheres como padres na Igreja Católica deve durar para sempre. A opinião é do Papa Francisco e foi dada nesta terça-feira, 1º, em entrevista no voo que o levou de volta a Roma após uma viagem a Suécia. Ele estava no país para a cerimônia histórica do 500º aniversário da reforma protestante e foi recebido pela arcebispo da Igreja Luterana da Suécia, Antje Jackelen, que é uma mulher. 

De acordo com informações do jornal americano The New York Times, Francisco já havia dito anteriormente que apoia a exclusão de mulheres da ordenação como padres. A posição se tornou divergente, no entanto, quando ele criou uma comissão para avaliar a participação feminina como diaconisas na Igreja. 

A bordo do avião, Francisco foi questionado por uma jornalista sueca que, citando Antje, voltou a perguntar se seria realista pensar que poderá haver mulheres padres nas próximas décadas. O papa, então, respondeu: "Quanto à ordenação de mulheres na Igreja Católica, a última palavra é clara. O que João Paulo II falou, permanece", disse. O pontífice fez referência ao papa João Paulo II, que em carta apostólica disse que tal ordenação não seria possível porque Jesus escolheu somente homens como seus apóstolos. 

"E assim permanece", completou Francisco. A jornalista insistiu: "Sério? Nunca?", para o qual teve a resposta: "Se lermos cuidadosamente a declaração de João Paulo II, vai nessa direção." Ele seguiu: "Mas mulheres podem fazer tantas outras coisas melhores que homens." 

A posição do papa poderá animar integrantes tradicionais da Igreja, que vêm acusando o papa de causar confusão em questões de doutrina. Do outro lado, a posição frustra componentes que esperavam ver avançar o debate sobre o tema, até uma eventual ordenação feminina. Protestantes têm ordenado mulheres como padres e bispos por décadas. /COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.