AFP / FILIPPO MONTEFORTE
AFP / FILIPPO MONTEFORTE

Papa Francisco altera regra da Igreja para permitir mulheres no rito de lava-pés

Alteração contraria setores conservadores da Igreja em tradicional cerimônia durante a Quaresma

O Estado de S.Paulo

21 Janeiro 2016 | 19h02

VATICANO - O papa Francisco alterou nesta quinta-feira, 21, séculos de tradição que bania mulheres do rito de lava-pés durante a Quaresma, contrariando setores conservadores da Igreja. Até então, somente homens eram formalmente autorizados a participar do rito no qual pés de 12 pessoas são lavados e beijados em comemoração ao gesto de humildade de Jesus ante os apóstolos na noite anterior a sua crucificação.

Em carta ao departamento que regula ritos de adoração do Vaticano, o papa disse que o grupo deve ser composto por “todos os membros do povo de Deus”, incluindo mulheres, “jovens e velhos, saudáveis e doentes, clérigos e leigos”. A cerimônia acontece na quinta-feira santa, antes do domingo de páscoa. A mudança ocorre, segundo Francisco, para “expressar integralmente o significado do gesto de Jesus em sua caridade infindável”. 

“Isso é uma ótima notícia, um incrível passo a frente”, disse a diretora da Conferência para Ordenação Feminina, Erin Hanna, organização sediada nos Estados Unidos que promove o sacerdócio de mulheres.

Desde 2013, o papa tem incluído mulheres quando ele preside o rito de lava-pés, dando continuidade a uma prática iniciada quando ele era bispo de Buenos Aires. Lá, as cerimônias aconteciam em um asilo e contavam também com muçulmanos quando ele realizou o rito de prisões italianas, contrariando conservadores.

“Eu sinto pena de padres que têm tentado seguir a liturgia nesse assunto. Eles podem se sentir traídos”, disse Joseph Shaw, diretor de um grupo de conservadores chamado The Latin Mass Society. /AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.