ALESSANDRO BIANCHI/EFE/EPA
ALESSANDRO BIANCHI/EFE/EPA

Papa Francisco expulsa dois bispos chilenos por alegações de abuso sexual

Francisco José Cox Huneeus, de 85 anos, é acusado de abusar de um menor na Alemanha; Marco Antonio Órdenes Fernández, de 54 anos, estava sendo investigado por molestar um coroinha de 17 anos

O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2018 | 15h39

O papa Francisco expulsou outros dois bispos chilenos da Igreja por acusações de abuso sexual a menores, informou o Vaticano neste sábado, 13, dia em que o pontífice recebeu o presidente do Chile Sebástian Piñera. As duas expulsões se unem a das últimas semanas dos sacerdotes Fernando Karadima Fariña e Cristián Prech.

+ Papa Francisco aceita renúncia de mais dois bispos chilenos por pedofilia

O Vaticano identificou os dois homens como Francisco José Cox Huneeus, de 85 anos, arcebispo emérito da cidade de La Serena, e Marco Antonio Órdenes Fernández, de 54 anos, arcebispo emérito de Iquique. Eles receberam a maior punição da Igreja católica "como consequência de atos de abusos a menores", descreveu o comunicado da Santa Sé.

A decisão do papa, raramente tomada contra bispos, foi adotada na última quinta-feira, 11, e "não admite recurso", afirma a nota, que indica que os bispos foram informados. O anúncio feito no dia em que o pontífice recebeu a visita do presidente do Chile foi interpretado como uma mensagem concreta de que o papa está empenhado em aplicar com firmeza a "tolerância zero" contra a pedofilia.

+ Em meio a escândalos sexuais, papa Francisco abre reunião de bispos e tenta engajar jovens

"Tivemos uma reunião boa e franca com o papa Francisco. Conversamos sobre a difícil situação que vive este momento a Igreja no Chile. Compartilhamos a esperança de que a igreja possa viver um verdadeiro renascimento e recuperar o carinho e a aproximação do povo de Deus", disse Piñera.

De sua parte, o Vaticano reconheceu, em nota oficial, que os dois líderes abandonaram "a dolorosa ferida dos abusos a menores, destacando o compromisso de todos para combater e prevenir a comissão desses crimes e seu ocultamento".

No começo deste mês, a ordem religiosa à qual Cox pertence, dos Padres de Schoenstatt, disse que o Vaticano estava investigando uma acusação contra ele relacionada ao abuso sexual de um menor na Alemanha, em 2004. Cox não pôde ser encontrado para comentar o assunto. Acredita-se que ele retornou à Alemanha depois de um período no Chile.

De acordo com a imprensa chilena, Órdenes, que renunciou como bispo de Iquique em 2012 quando estava sendo investigado pelo Vaticano, foi acusado, alguns anos atrás, de molestar um coroinha de 17 anos. Acredita-se que ele está vivendo em algum lugar no Chile. Não foi possível encontrá-lo imediatamente para um comentário.

No mês passado, o papa Francisco expulsou o padre chileno Fernando Karadima, de 88 anos, que abusou sexualmente de adolescentes durante muitos anos e que está no centro de um escândalo mais amplo de abusos, que ainda está sendo investigado. /Reuters e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.