EFE/EPA/ETTORE FERRARI
EFE/EPA/ETTORE FERRARI

Papa institui Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação

Anúncio feito pelo Vaticano nesta segunda-feira reflete a intenção do pontífice em chamar atenção dos católicos para situação do planeta

Camila Santos, Especial para O Estado

10 Agosto 2015 | 11h09

O papa Francisco instituiu o "Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação", que será celebrado anualmente em 1º de setembro, como já faz a Igreja Ortodoxa. O anúncio foi realizado pelo Vaticano nesta segunda-feira, 10, e reflete a intenção do pontífice em chamar atenção dos católicos para a situação do planeta. 

"Como cristãos, queremos oferecer a nossa contribuição para a superação da crise ecológica que a humanidade está vivenciando", disse Francisco, em carta enviada a dois cardeais que atuam nos departamentos responsáveis por questões de justiça, paz e unidade dos cristãos. 

A data, que será comemorada por 1,2 bilhão de católicos romanos, é o movimento mais recente do papa com o objetivo de tentar destacar as preocupações ambientais globais antes da cúpula crucial das Organizações das Nações Unidas (ONU), na cidade de Paris, em dezembro. A reunião abordará temas relacionados às mudanças climáticas. 

Para o pontífice, celebrar a data no mesmo dia que os cristãos ortodoxos representa a "crescente comunhão entre irmãos". Além disso, o papa afirmou que a data será marcada por eventos em todas as dioceses católicas ao redor do mundo e oferecerá aos fiéis "uma oportunidade apropriada para reafirmarem a adesão pessoal à vocação de guardiões da criação".

 

Francisco relatou que o "Dia Mundial da Oração pelo Cuidado da Criação' permitirá que os católicos agradeçam a Deus pela obra maravilhosa que Ele confiou aos cuidados humanos e implorem ajuda divina para a proteção da criação, assim como o perdão pelos pecados cometidos contra o planeta. 

Em junho, o papa emitiu a encíclica "Laudato Si", primeira dedicada ao meio ambiente. O chamado poderia estimular os membros da Igreja a pressionarem os responsáveis políticos a respeito dos assuntos ligados à ecologia e alterações climáticas. 

Além disso, o pontífice manifestou a intenção de que a encíclica e outras iniciativas da Igreja influenciem a ONU durante o encontro que será realizado em Paris, cujo objetivo é chegar a um acordo para combater os problemas ambientais após fracassos anteriores. 

Em conferência que reuniu mais de 60 prefeitos no Vaticano, no mês passado, Francisco cobrou que a ONU tome uma "posição muito forte" sobre as mudanças climáticas./AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.