EFE/Alessandra Tarantino
EFE/Alessandra Tarantino

Papa recomenda exorcismo diante de grandes inquietudes espirituais

Pontífice reconheceu que sacerdotes podem se deparar no confessionário com certas questões que exigirão a prática de expulsão de espíritos

O Estado de S.Paulo

17 Março 2017 | 18h01

O papa Francisco recomendou nesta sexta-feira, 17, aos sacerdotes que recorram a exorcistas quando se depararem no confessionário com profundas inquietações espirituais. Um bom confessor deve ser "um homem de discernimento", especialmente quando se confronta com "transtornos espirituais reais", destacou o papa diante de um grupo de sacerdotes que participou de um curso da Penitenciária Apostólica, um dos três tribunais do Vaticano.

Diante dos sacerdotes, o pontífice argentino recordou que a maioria dos transtornos são de cunho "psicológico" e que portanto devem ser curados "por meio da saudável colaboração com as humanidades". No entanto, reconheceu que certos problemas espirituais podem requerer exorcistas, motivo pelo qual o confessor "não deve hesitar em consultá-los". Os exorcistas devem "ser escolhidos com muito cuidado e precaução", disse.

O exorcismo é o ato de expulsar demônios ou espíritos malignos para fora das pessoas, lugares ou objetos que são supostamente possuídos ou atormentados por eles. Essa prática não é reconhecida ou apreciada por toda a Igreja, que autoriza apenas alguns sacerdotes a realizar exorcismos.

Ao contrário de seus predecessores, Francisco costuma falar com mais frequência da presença nociva do "diabo, do "demônio" e de "Satanás", assim como da necessidade de lutar contra essa presença por diferentes meios. No ano passado, a Penitenciária Apostólica organizou uma semana de cursos de exorcismo para ajudar os sacerdotes a se defenderem do mal./AFP

 

Mais conteúdo sobre:
Vaticano Igreja Satanás

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.