José Patriício/Estadão
José Patriício/Estadão

Papa reconhece milagre e vai beatificar padre brasileiro Donizetti Tavares de Lima

Pontífice também reconheceu as 'virtudes heroicas' de Frei Damião e de Nelsinho Santana, que passam a ser 'veneráveis'

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2019 | 11h04
Atualizado 09 de abril de 2019 | 12h00

O menino Bruno Henrique Arruda de Oliveira nasceu com uma deformidade conhecida como pé torto congênito bilateral. A criança não conseguiria andar e, mesmo com cirurgia, teria sequelas definitivas. A família invocou a intercessão do padre Donizetti Tavares de Lima, de Tambaú (SP). O menino apresentou cura instantânea, completa e duradoura, inexplicável à luz da Medicina. O caso passou pela Consulta Médica e outros órgãos da Igreja Católica.

O milagre foi aceito no sábado pelo Vaticano, que passou a considerar o padre Donizetti um beato, grau anterior ao de santo. O processo foi aberto em 1992, segundo a Arquidiocese de São Paulo. A decisão, anunciada durante audiência da Congregação das Causas dos Santos, em Roma, foi recebida com festa em Tambaú, cidade de 23,1 mil habitantes, na região de Ribeirão Preto. “Alegria, alegria!”, comemorou o padre Anderson Godoi, reitor do Santuário de Nossa Senhora Aparecida. “Tem muita gente rezando no túmulo do padre.”

 

O religioso nasceu em 3 de janeiro de 1882 em Cássia (MG), mas viveu 35 anos em Tambaú, onde trabalhou como sacerdote e realizou obras sociais até sua morte, em 16 de junho de 1961. Padre atuante, Donizetti fundou o Asilo São Vicente de Paulo, a Associação de Proteção à Maternidade e Infância, a Congregação Maria, a Irmandade Filhas de Maria e o Círculo Operário Tambauense. “Tambaú já recebe cerca de 200 mil visitantes por ano por causa dele. Com certeza, agora o turismo religioso vai aumentar”, diz Leonardo Spiga Real, que integra a comissão de beatificação.

O papa Francisco ainda reconheceu no sábado as “virtudes heróicas” de frei Damião de Bozzano (italiano radicado no Brasil) e do paulista Nelsinho Santana. Eles passam a ser considerados “veneráveis”. Nelsinho nasceu em Ibitinga (SP) e morreu em Araraquara (SP) em 24 de dezembro de 1964, aos 9 anos, em decorrência de um câncer no braço. O lugar onde foi enterrado, com o passar do tempo, se tornou alvo de muitas visitas por graças alcançadas.

Já frei Damião é famoso em todo o Nordeste pelos 66 anos de evangelização. Ele levou a cabo as chamadas “santas missões”, que incluíam sermões, catequeses, encontros específicos com homens, mulheres, jovens, crianças, doentes e presos. Em suas peregrinações, chegava a ouvir confissões do povo por até 12 horas diárias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.