DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

De skate, Papai Noel 'dribla' trânsito e dificuldades em Brasília

Pessoa com deficiência, Ivanildo pede doações em semáforo para comprar brinquedos e dar a crianças carentes

André Borges e Dida Sampaio, O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2021 | 20h45

O semáforo fecha. Sentada no banco traseiro do carro, a menina Acsa vê um Papai Noel se aproximar. Não está sentado em um trenó, nem desceu por alguma chaminé próxima dali. O Papai Noel de Acsa está sentado em um skate. Pessoa com deficiência física, ele circula como pode entre as filas de veículos que cortam as ruas do Plano Piloto de Brasília.

Em vez de dar presentes, o Papai Noel estende a mão a quem passa. Acsa mostra à mãe que o velhinho se aproxima e pede que abra a janela do carro. A mãe pega uma nota de dez reais na carteira e dá para a menina, que entrega o dinheiro ao Papai Noel. Acsa sorri como se tivesse acabado de ganhar seu próprio presente.

A garotinha que ajudou o Papai Noel e que, logo em seguida, partiu em disparada assim que o sinal ficou verde, não alegrou apenas José Ivanildo da Silva, 49 anos, conhecido como "Ivanildo do Skate". Acsa ajudou a transformar o Natal de outras crianças carentes que vivem no entorno da capital federal. 

Há 28 anos, "Ivanildo do Skate" vai aos semáforos de Brasília para pedir ajuda, mas não somente para ele. No Natal, ele se transforma em Papai Noel para comprar brinquedos e doar a crianças pobres. Faz o mesmo tipo de ação nos dias das Mães e das Crianças. 

"Em outras datas, peço ajuda para minha subsistência, mas nessas datas ajudo os outros também. No último Dia das Crianças, juntei brinquedos em casa. Consegui doar para mil crianças carentes", conta ele.

Vida difícil

Com uma faixa pendurada na beira da rua, nas proximidades do cemitério Campo das Esperança, na Asa Sul, em Brasília, o Papai Noel Ivanildo do Skate também pede ajuda, por meio do Pix, para compra de alimentos e brinquedos para crianças carentes. 

Natural da cidade Murici, em Alagoas, Ivanildo adotou o skate depois que teve roubada a sua cadeira de rodas. É pai de quatro filhos e recebe um salário mínimo por mês do governo federal, um auxílio destinado a pessoas com deficiência. 

"Sei que a situação não está fácil para ninguém, mas qualquer ajuda é importante. A gente tem de fazer a nossa parte para ajudar o próximo", afirma. 

Entre carros e caminhões, o Papai Noel segue de skate entre os veículos que passam. Enquanto segura um saco vermelho em uma das mãos, na outra se apoia em um chinelo, para avançar pelo asfalto.

Persistência

Com habilidade, Ivanildo tenta escapar das fumaças lançadas pelos carros em sua cara quando os veículos avançam pela rua. A roupa de Papai Noel, mesmo com tanta fuligem que escapa por todo lado, permanece limpa. Sua barba branca está impecável. 

Nos corredores de veículos, muitos não abrem as janelas dos carros. Outros simplesmente ignoram a presença de Ivanildo. Mas ele sabe que há muitas meninas como Acsa pelo caminho. Tem certeza disso. É o que o faz seguir adiante, com um pequeno saco nas mãos, onde coloca as doações. No que depender de Acsa e do Papai Noel Ivanildo do Skate, o Natal será muito melhor neste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.