Paparazzo também é gente

Tutty Vasques escreve todos os dias no portal Estadao.com.br, de terça a sábado neste caderno e aos domingos no caderno Aliás

Tutty Vasques, O Estadao de S.Paulo

10 de setembro de 2008 | 00h00

Em noites frias e chuvosas como essa que passou no Rio é que a gente vê - basta imaginar, vai! - o que é a vida de paparazzo. O cara poderia estar pirateando DVD, navegando em redes de pedofilia, passando ingressos falsos para o show de Madonna, grampeando o Gilmar Mendes... Mas não! Ele virou a noite de plantão na porta de um clube de golfe da Barra da Tijuca, enrolado numa capa pegajosa de plástico, com aquela porcaria de câmera digital no pescoço, disputando com um batalhão de selvagens a atenção de celebridades. Claudia Raia acabara de chegar para o casamento da amiga Juliana Paes, fazendo aquelas caras que a gente só vê em revistas de cabeleireiro. E corre que lá vem outra. Quem é? Sei lá! Na dúvida, flash na moça. Por R$ 450 a noite de trabalho, não se pode perder ninguém de vista. Tomara que, no final da festa, o mau tempo tenha tornado perfeito o plano de fuga dos noivos para um local secreto. Ou tem paparazzo até agora atrás de um coqueiro esperando os pombinhos despertarem da noite de núpcias. Ninguém merece! NO CAPRICHO"E a dedicatória do Washington Olivetto para a Bruna Surfistinha, hein?"Só se falava disso na noite de autógrafos do livro que o publicitário lançou em SPQUEM DIRIA!Pra você ver só como as coisas mudam: já tem porteiro de hotel cinco-estrelas no Brasil aceitando de novo gorjeta em dólar. Tá explicado!O Brasil é o 3.º maior consumidor de anfetaminas do mundo num ranking que é liderado pela Argentina. O que talvez explique toda aquela gana pela bola evocada por Lula como exemplo de dedicação em campo. Baixa no CáucasoO clima é de revolta na Ucrânia. Também, pudera! Por causa do conflito Geórgia x Rússia, o concurso Miss Mundo foi cancelado em Kiev. Por muito menos, a Ossétia do Sul declarou independência. Pelas tabelasAo contrário de Lula, o companheiro Evo Morales não está nem um pouco ligado na partida de logo mais, no Engenhão. O presidente da Bolívia não sabe direito nem quem está jogando no seu time. Na segunda, ele trocou cinco na equipe ministerial. Parece provocaçãoSerá que é mesmo uma boa falar em explosão que deu origem ao Universo na véspera de 11 de setembro? Uma experiência na Suíça recria o Big Bang nesta quarta-feira. Vexame totalSabe lá o que é para um argentino jogar futebol nos EUA e quebrar a perna ao dar uma pirueta aos 5 minutos do primeiro tempo para comemorar um gol que o juiz anulou? Mais vexatório, francamente, só se Fabián Espíndola fosse parar na polícia num rolo com três travestis de Salt Lake City. Por falar nisso...Ronaldo Fenômeno quer "manter os pés no chão" em relação à sua volta ao futebol. Com o peso que está, não terá problemas para isso. Mais difícil, por enquanto, é tirar os pés do chão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.