Para 62%, ataques do PCC afetaram auto-estima de paulistas

Em enquete realizada pelo Portal Estadão.com.br, entre os dias 28 e 31 de agosto, 62% de um total de 1248 internautas consideraram que a auto-estima dos paulistas está baixa após os recentes ataques atribuídos à facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) no Estado. O resultado da enquete coincide com a proposta do governo de São Paulo, que prepara uma campanha publicitária para elevar a auto-estima dos paulistas. O governador Cláudio Lembo acredita que a confiança do cidadão foi arranhada pela crise na segurança pública, desencadeada por ações do PCC, e quer a campanha nas ruas no dia 2 de outubro. Para o internauta Renato Caggiano Concilio, a auto-estima está tão baixa que fica até complicado admitir a origem paulista. "Impossível encher a boca pra dizer "sou paulista", depois do que presenciamos. As pessoas de outros Estados nos olham com pena quando dizemos nossa origem", opinou Concilio.A internauta Luzia Rodrigues considera que a baixa auto-estima não é resultado somente dos ataques do PCC, mas, principalmente pelos limites impostos pela violência em uma grande metrópole como São Paulo. "Já não consigo sair à noite sem medo e, durante o dia, a paranóia a respeito de uma nova tentativa de assalto é constante", declara Luzia.Clara Leonor Vaz Guimarães, outra internauta que também opinou, diz que a sua auto-estima está baixa pelo fato de ser brasileira. "Não estou segura em muitos lugares do Brasil. Só para citar alguns: Rio de Janeiro, Pernambuco, Ceara, Espírito Santo." Para Clara, o crime organizado é um problema nacional.Há também os que consideram que os ataques não abalaram a auto-estima dos paulistas. Essa é a opinião de 473 ou 38% dos internautas que responderam à enquete. "Isso não fere a minha auto-estima, fere o meu orgulho de ser um cidadão que paga impostos e fica indignado com a impunidade", relata a internauta Sudan Trevisani. A CampanhaDe acordo com Lembo, ?será uma campanha com apoio dos meios de comunicação, para que a gente levante a auto-estima do paulista e demonstre que estamos todos juntos nessa guerra." O publicitário Alex Periscinoto, que coordena o grupo de elaboração do projeto em São Paulo, disse que ainda não há uma pessoa que possa protagonizar a campanha local. ?Talvez deva ser uma pessoa de cada segmento da sociedade. São Paulo tem mil facetas, desde o simpático vendedor de bilhetes de loteria até artistas e arquitetos que podem fazer elogios e críticas a São Paulo?, destacou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.