Para contornar cláusula de barreira, pequenos partidos já falam em fusões

Para fugir da cláusula de barreiras, alguns partidos, como o PPS, o PV e o PHS já pensam até em fusão. "Estou conversando com os dirigentes do PV e do PHS para formarmos um novo partido integrado pela esquerda democrática", disse o presidente do PPS, deputado Roberto Freire (PE). Catorze dos 21 partidos que elegeram deputados foram pegos pela cláusula de barreiras, prevista pela Lei dos Partidos Políticos para entrar em vigor na eleição de 2006.Por essa exigência, o partido tem de obter pelo menos 5% dos votos válidos do país em, no mínimo, nove Estados. Se não cumprir a norma, não será fechado nem perderá a vaga na Câmara dos Deputados, mas passa a ter uma existência de segunda categoria. Esses partidos não têm direito, por exemplo, a gabinete de liderança nem a lugar nas comissões permanentes e nas CPIs. Também não podem ocupar cargos na Mesa Diretora. Passam ainda a dividir, entre si, 1% do Fundo Partidário, que neste ano deverá ser de R$ 100 milhões. Significa dizer que todos eles terão de dividir entre si R$1 milhão, o que dará menos de R$80 mil para cada um anualmente.Os que cumpriramOs sete partidos que cumpriram a cláusula de barreira, de acordo com projeções feitas pela Câmara dos Deputados - ainda não oficiais, porque não são do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) - foram o PT, com 15,58% dos votos para deputado; PMDB, 15,12%; PSDB, 14,13%; PFL, 11,34%; PP, 7,42%; PSB, 6,38% e PDT, 5,40%. Estes dois últimos conseguiram passar raspando. Só na madrugada puderam respirar mais aliviados, visto que o suspense quanto ao desempenho deles estendeu-se por várias horas depois de anunciado o início da apuração dos votos pelo TSE. O salvador do PSB foi o ex-ministro Ciro Gomes (CE), que obteve 667.830 votos, tornando-se proporcionalmente o candidato mais votado do País, com 17,82% de todos os votos do Ceará. Quando foi sondado para ser o candidato a vice na chapa de Luiz Inácio Lula da Silva, Ciro Gomes disse que preferia ser candidato a deputado, porque poderia ajudar seu partido a superar a cláusula de barreiras.Os que não cumpriramOs partidos que não conseguiram 5% dos votos no País e 2% em pelo menos nove Estados foram o PTB, PPS, PV, PL, PCdoB, PSOL, PSC, PRONA, PTC, PMN, PHS, PAN, PRB (do vice José Alencar) e PT do B. Diante da surpresa de não ter conseguido um bom desempenho, o líder do PTB, José Múcio Monteiro (PE), convocou para esta segunda-feira uma reunião de emergência. O partido tem conversações para se fundir com o PDT.O trio PPS, PV e PHS pensa numa fusão que não atrapalhe a autonomia programática de cada um. De acordo com a fórmula pensada por Freire, eles teriam um estatuto em comum que lembraria a origem de cada um dos partidos, dando-lhes autonomia, como se fossem tendências políticas dentro de uma legenda - fórmula que já é aplicada pelo PT.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.