Para DER, imprudência causou acidente na Raposo Tavares

O diretor regional do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), João Augusto Ribeiro, atribuiu à imprudência o choque entre dois ônibus que causou a morte de 32 pessoas, na noite de ontem, na Rodovia Raposo Tavares, em Regente Feijó, extremo oeste de São Paulo. Com base em observações próprias e na análise preliminar feita por técnicos da Polícia Científica no local do acidente, ele concluiu que um dos ônibus invadiu a outra pista provavelmente durante uma ultrapassagem mal sucedida. Jorge Santos/Oeste NotíciasÔnibus da empresa Adorinha ficaram destruídos após colisão que matou 32 pessoasA rodovia tem pista simples no local, mas não chovia e a visibilidade era boa na hora do acidente, segundo ele. "O motorista tinha má visão de 400 metros no sentido São Paulo - interior e de 750 metros no sentido contrário", disse. Para ele, o acidente foi causado pelo ônibus que seguia no sentido interior - São Paulo, cujo motorista tinha melhor visão da estrada, e cujo veículo estava com um número menor de passageiros. O ônibus, que saíra de Colorado, no Paraná, às 19 horas, havia feito uma parada, 20 minutos antes do acidente, em Presidente Prudente. Segundo Ribeiro, o veículo, que seguia para São Paulo, invadiu a pista contrária e bateu de frente em outro ônibus da mesma empresa, que fazia o trajeto oposto. Esse ônibus saíra de Bauru e seguia para Prudente. Prefeitos da região reclamam há anos a duplicação da Raposo Tavares entre Assis e Presidente Prudente. Ribeiro não confirmou a informação de que um dos ônibus tentava ultrapassar um trem canavieiro. "Ninguém viu o que aconteceu." Ele disse que os bombeiros e as equipes de socorro do DER chegaram ao local em poucos minutos. A rodovia foi totalmente interditada e o trânsito passou a ser desviado para a Rodovia Assis Chateaubriand, via Rancharia e Martinópolis. Isso evitou que se formassem congestionamentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.