Para Dilma, é ´baixo nível´ usar patrimônio de Lula como munição

A duplicação do patrimônio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva entre os anos de 2002 e 2006, conforme informado pelo PT à Justiça Eleitoral, não deve ser usada como munição pela oposição durante a campanha eleitoral, segundo avaliou a ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. Para ela, a exploração deste fato seria uma atitude de "baixo nível". "Acho que essa é uma forma de baixo nível de conduzir campanha eleitoral. Não acredito que ninguém fará uma coisa dessas", finalizou, após o lançamento do Fundo Infra Brasil, na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na capital paulista.Ontem, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição, declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um patrimônio de R$ 839.033,52 em 2006, quase o dobro dos R$ 422.949,32 declarados em 2002. O Palácio do Planalto informou que Lula optou por aplicar parte do salário de R$ 8,8 mil mensais (que ele pode guardar integralmente, pois todos os seus gastos são bancados pelo contribuinte) em fundos de investimentos. O PT também emitiu ontem nota, na qual afirma que a evolução patrimonial de Lula ?deve-se à poupança de parte do salário como presidente e aposentadoria, bem como rendimentos de aplicações anteriores a 2002?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.