Para Dilma, "são eleitorais" críticas à nomeação nos Correios

A ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse nesta sexta-feira que as críticas à nomeação de representantes do PMDB para cargos de direção na Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) "são eleitorais". "Não vemos nenhum outro problema. Estão querendo construir em cima da questão dos Correios um problema que não existe", afirmou Dilma, depois de participar, ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ministro dos Transportes, Paulo Sérgio de Oliveira Passos, de uma exposição de superintendentes do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT) sobre o Pro Sinal, programa de sinalização de 48 mil quilômetros de rodovias federais que será iniciado este mês.A ministra disse, ainda, que as nomeações foram sugeridas pelo ministro das Comunicações, Hélio Costa, a quem os Correios estão subordinados, e atenderam a exigências técnicas. "Nunca questionam a competência das pessoas, mas que elas são inadequadas, pois são indicadas por um determinado partido", queixou-se ela.À observação de um jornalista de que a história recente do País mostra o contrário, ela respondeu: "A história, em todos os países, mostra que há necessidade de se aperfeiçoar as instituições. Mas, em nome disso, não se pode comprometer o processo democrático".Questionada se o excesso de nomeações para atender a partidos não torna a máquina menos eficientes, Dilma afirmou que toda e qualquer instituição pode ter percalços. "O regime democrático perfeito não é, mas é o melhor", afirmou. "Acho que estão fazendo uma ilação complicada".A ministra ressaltou, ainda, que o País vive um momento de disputas partidárias e que não vê nenhum problema nas indicações feitas pelo ministro das Comunicações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.