Para especialistas, educar é melhor do que punir

Para o coordenador do núcleo de Criminalidade Infanto-Juvenil da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Leonardo Pantaleão, há uma crise ética no mundo que se reflete no comportamento agressivo dos jovens. "A lei do mais forte é mais valorizada do que os padrões éticos da sociedade." O importante, diz, é investir mais em educação do que em punição. Mesma opinião da socióloga da USP Caren Ruotti. Co-autora do livro Violência na Escola - um guia para pais e mestres, ela diz que a escola tem de assumir o papel de educador. "Quando estimulados de forma positiva, os jovens também agem assim."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.