Para especialistas, governo precisa administrar o Masp; Estado se oferece

Argumento é que, do jeito que está, faltam condições de cuidar do acervo, como mostrou o furto de quinta-feira

Jotabê Medeiros, O Estadao de S.Paulo

22 de dezembro de 2007 | 00h00

Só há uma saída para tirar o Masp da crise aberta pelo furto de um Picasso e um Portinari: estatizar o museu, transferindo a gestão para a Prefeitura, o Estado ou a União. Essa é a solução defendida por intelectuais e museólogos. E o Estado se mostra interessado."Por mais precário que seja, ele tem mais perspectiva do que uma gestão dessas. O Estado é um ente permanente. Senão, vamos deixar tudo na mão de gangues e tribos", diz o secretário adjunto de Cultura do Estado e ex-superintendente do Museu de Arte Moderna (MAM), Ronaldo Bianchi. "É federalizado, municipalizado ou estadualizado. E a gente topa gerir o Masp.""Sem dúvida, existem hoje casos de museus geridos pelo governo e muito bem-sucedidos", observa o diretor da Pinacoteca, Marcelo Araújo. "Nesse momento, o que funciona muito bem é o novo modelo de organização social (espécie de parceria entre Estado e uma associação). É o modelo da Pinacoteca e do Museu da Língua Portuguesa.""Os sócios do Masp poderiam ser conselheiros e continuar acompanhando o desenvolvimento da instituição, mas não seriam mais os únicos, isolados", observa o embaixador Rubens Barbosa, ex-conselheiro da instituição, que se mostra cético, porém, quanto a uma intervenção drástica do governo.Outros três motivos são enumerados para que o Município assuma a a gestão. Primeiro: à exceção do Centro Cultural São Paulo, a Prefeitura não tem um museu de porte. Depois, o Município já é o proprietário do terreno. Por fim, as obras do acervo receberam grande investimento público desde a aquisição.O ex-conservador-chefe do museu Luiz Marques, que trabalhou no Masp entre 1994 e 1997, considera que, no modelo atual, o museu se tornou inviável. "Hoje, ele não tem recursos e não vai ter futuramente. É muito caro e vai se tornar cada vez mais caro e é essa a realidade dos museus no mundo."Para o ex-secretário de Economia e Planejamento do Estado Andrea Calabi, a "governança viciada" do Masp causa desconfiança aos patrocinadores. "Acho que a comoção da população deveria motivar o poder público a intervir, para evitar o roubo do próximo Picasso."O secretário municipal de Cultura, Carlos Augusto Calil, preferiu não comentar a proposta de estatização do museu. O Estado procurou o presidente do Masp, Julio Neves, mas ele não quis comentar o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.