Para especialistas, Marina levará consigo votos que trouxe ao PV

Para José Álvaro Moisés, partido mostra rigidez ao ser incapaz de absorver uma liderança com o [br]perfil da ex-senadora

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

06 Julho 2011 | 00h00

Quando concorreu à Presidência da República pelo PV nas eleições do ano passado, Marina Silva conquistou o voto de quase 20 milhões de eleitores. Hoje, prestes a deixar a legenda, especialistas ouvidos pelo Estado observam que, provavelmente, quem perderá com a saída da ex-senadora será o partido.

"O PV vai perder os eleitores que a Marina conseguiu agregar nas eleições de 2010. Os votos não foram por causa das propostas do PV, foram por causa das qualidades pessoais dela", afirma José Álvaro Moisés, professor de ciência política da USP.

Para Moisés, o PV mostra uma enorme rigidez ao ser incapaz de absorver uma nova liderança com o perfil de Marina: "Jovem, mulher, de uma região menos desenvolvida do País". "Ela tem uma série de características que poderia agregar voto ao partido, mas eles não foram capazes de negociar para mantê-la."

O cientista político Leonardo Barreto foi mais duro ao criticar a legenda. Segundo ele, o PV é uma ficção política, pois não tem um padrão de correligionários. "Isso fica evidente quando vemos que, de um lado, o partido tem um político liberal, como o Fernando Gabeira e, de outro, um conservador, de uma família oligárquica, como o Zequinha Sarney."

De acordo com Barreto, a ex-senadora mostrou que tem um posicionamento incompatível com as práticas políticas tradicionais, não só no que diz respeito a uma agenda verde, mas também em questões éticas. "Hoje, não há uma legenda com as características que ela mostrou ter."

Novo partido. Na opinião de Geraldo Tadeu Monteiro, presidente do Instituto Brasileiro de Pesquisa Social (IBPS), criar um novo partido seria a opção mais correta neste momento para o grupo de Marina, mas também a mais difícil. "Eles vão ter que fazer um longo trabalho de mobilização, coletar assinaturas, constituir diretórios estaduais e municipais...", observa.

Monteiro lembra ainda que nenhum político tem controle absoluto sobre os votos que conquistou em pleitos passados. Segundo ele, os 20 milhões de votos recebidos por Marina foram um capital que ela adquiriu numa circunstância específica, durante uma eleição polarizada, na qual ela se ofereceu como terceira via.

"Será que ela mantém esses votos? É natural que todo político sente em cima da votação na última eleição, mas isso não significa que nas próximas vai conseguir alcançar esse número", diz Monteiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.