Para governistas, tucano quer 'marcar posição'

Petistas criticaram os ataques do senador, que acusou o governo de perpetuar a corrupção e o empreguismo

JOÃO DOMINGOS / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2011 | 03h04

Lideranças dos partidos do governo reagiram às declarações de Aécio Neves de que o PT perpetuou o aparelhamento do Estado, a corrupção e o empreguismo. Para os governistas, o ataque deve-se "ao desespero dos tucanos diante da falta de propostas e de projetos para o País". Na entrevista Aécio afirmou ainda que o governo do PT é um "software pirata" do projeto original de desenvolvimento do Brasil feito pelo PSDB.

"A entrevista não traz nada de novo. O senador Aécio repete o que os tucanos sempre disseram. É uma forma de esconder que não têm projeto nem discurso novos, não têm avaliação nova nem sobre o PT nem sobre o governo", disse o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE). "É uma repetição dos chavões que sempre falaram e que não deram certo nem na eleição e reeleição do presidente Lula nem na eleição da presidente Dilma Rousseff". Para ele, tais argumentos serão "um fracasso" também em 2014.

O líder petista disse que ao se declarar pronto para disputar a eleição de 2014, Aécio tenta aparecer num momento em que estão surgindo lideranças novas no País, entre elas o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). "O Aécio sabe que pode ser ofuscado pelos novos líderes. Então, busca um lugar para pelo menos mostrar aos eleitores tucanos que ele existe. Sabe que a polarização com o PT pode sair do PSDB e ir para outro partido."

Posição. O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), disse que ao atacar o governo, Aécio só reforçou "o que todo mundo sabe, que os tucanos não têm nenhum projeto para o País". É por isso, segundo ele, que o senador tenta trazer para agora um debate que só vai ocorrer em 2014. "Não estamos preocupados com 2014. Queremos é que o País saia da crise melhor do que entrou."

O deputado Paulo Teixeira (SP), líder do PT na Câmara, afirmou que Aécio está procurando se firmar dentro do PSDB como um candidato com potencial. "Ele já tentou sair candidato a presidente e caiu do cavalo. Que tome cuidado, porque darão outra rasteira nele."

Já o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), afirmou que ao dizer que está pronto para disputar a eleição, o senador mineiro falou mais para o público interno do PSDB, na esperança de se mostrar candidato. "Eles estão passando por uma disputa interna e Aécio, um dos políticos mais talentosos do País, busca marcar sua posição."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.