Para Le Monde, Lula não mexerá na política econômica

O segundo turno das eleições presidenciais no Brasil é um dos principais destaques da página inicial do site do jornal francês Le Monde neste domingo. "O ´L´ feito com os dedos por Lula no momento em que votar parece hoje mais provável do que o ´V´ da vitória que fará Geraldo Alckmin", diz a reportagem."Lula se posicionou como o defensor dos mais pobres ao se apoiar sobre os bons resultados da luta contra a inflação, sobre o aumento do salário mínimo e sobre a ampliação dos programas de assistência social", diz o Le Monde. O jornal acrescenta que Lula acusou Geraldo Alckmin de pretender privatizar estatais como a Petrobras, o Banco do Brasil e os Correios, colocando seu adversário numa posição defensiva."Se reeleito, Lula não irá modificar fundamentalmente sua política econômica, calcada sobre a luta contra a inflação e a ortodoxia fiscal", afirma o jornal. "Para seu segundo mandato, Lula deve tentar consolidar sua aliança com o principal partido brasileiro, o PMDB, sem o qual não conseguirá ter maioria no Parlamento", diz o Le Monde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.