Para lembrar

A missionária Dorothy Stang foi assassinada em 12 de fevereiro de 2005, aos 73 anos. Ela trabalhou durante 40 anos junto a pequenas comunidades no interior da Amazônia, em defesa do desenvolvimento sustentável e da reforma agrária. Irmã Dorothy, como era conhecida, foi responsável pela criação do primeiro programa de desenvolvimento sustentado da Amazônia, destinado a uma comunidade de 600 agricultores em Anapu. Com o projeto, vários fazendeiros e madeireiros tiveram terras confiscadas pelo Incra. Ela chegou a denunciar as ameaças, mas foi morta por um pistoleiro. Cinco acusados foram presos: Regivaldo Galvão, Vitalmiro Bastos Moura, Amair Feijoli da Cunha, Rayfran das Neves Sales e Clodoaldo Carlos Batista. Todos foram julgados e condenados - a última sentença foi dada em 2010.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.