Nauro Júnior/AG RBS
Nauro Júnior/AG RBS

Para Lula, antecessores foram 'exterminadores do futuro'

Sem citar nomes nem gestões específicas, presidente compara índice de desemprego atual com os do passado

Elder Ogliari / PORTO ALEGRE, Rafael Mano Diverio ESPECIAL PARA O ESTADO RIO GRANDE, O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2010 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou os eventos de sua agenda no Rio Grande do Sul, ontem, para atacar adversários e fazer comparações entre sua gestão e as anteriores. Em um dos discursos mais contundentes, na inauguração do dique seco de Rio Grande, Lula foi duro, embora não tenha citado nomes nem um governo específico: "Muita gente que governou o Brasil devia ser chamado de exterminador do futuro".

O presidente afirmou que "nunca antes na história desse País foram registrados 6,2% de taxa de desemprego", índice divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ele reforçou os índices da região metropolitana de Porto Alegre, com 4,1%. "Europa e Estados Unidos, que tem 10% de desempregados, é que devem olhar para nós e aprender".

Segundo ele, a retomada da indústria naval contribuiu para os números. "Quando chegamos ao governo, no lugar de trabalhadores, estavam ratos e no lugar de máquinas, estava capim", afirmou. Lula disse também que o objetivo é passar dos 50 mil empregos neste ramo, "como era na década de 1970, diferentemente dos 1,9 mil que tinha em 2002".

Questionado sobre qual governante deveria ser chamado de "exterminador do futuro", Lula se esquivou e não citou nomes.

Passado. À tarde, ao inaugurar o câmpus Porto da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Lula criticou a política educacional do governo Fernando Henrique Cardoso e prometeu voltar ao Rio Grande do Sul para inaugurar outras obras pendentes, como o túnel da BR-101 em Osório. Apesar de a plateia gritar o nome da candidata Dilma Rousseff (PT), Lula não a citou. Ao justificar a ausência do governador eleito Tarso Genro (PT), que estava em Porto Alegre para recepcionar Dilma, o presidente brincou: "Ele está pensando no futuro e eu sou o passado".

À noite, Lula, Dilma e Tarso participaram de um comício na capital gaúcha, em que voltaram a comemorar o índice de desemprego do IBGE e a criticar Serra. A candidata disse que "é responsabilidade do governo criar empregos", enquanto Lula atacou as promessas do tucano. "Passaram o tempo todo dizendo que o Bolsa-Família é populismo. Agora, com a cara mais cínica do mundo, seu adversário (Serra) diz que vai dar até décimo terceiro para o Bolsa-Família", disse Lula, em direção a Dilma. / COLABOROU ANNA FERNANDES, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.