Para Marta, obras estão embargadas por causa da campanha eleitoral

A eleição do próximo ano já começou, na avaliação da prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), candidata àreeleição. Por esse motivo, ela acredita que algumas de suas principais obras estão sofrendo embargos nas construções - caso docorredor de ônibus da avenida Rebouças e do auditório do Parque do Ibirapuera - para não serem inauguradas antes da eleição."Não tenho nenhuma dúvida de que a campanha municipal já teve início, pois tudo o que é iniciativa interessante da Prefeitura,que muda a cidade, beneficia moradores e tem impacto político está sendo interrompido sistematicamente", disse a prefeita, após participar da abertura da "5ª Bienal Internacional de Arquitetura e Design", no Pavilhão da Bienal noParque do Ibirapuera.A construção do corredor exclusivo de ônibus foi proibida por determinação do juiz Luciano Fernandes Gaglianoni, da 4ª Vara daFazenda Pública, ao conceder liminar a uma ação popular proposta pelo vereador Gilberto Natalini (PSDB). Já as obras do auditório de 4.870 metros quadrados no Ibirapuera estão suspensas por determinação do Conselho Superior do Ministério Público.O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), também presente na abertura do evento, criticou o posicionamento daprefeita e negou que o processo eleitoral tenha se iniciado. "Para nós, campanha eleitoral é tema proibido. A gente precisa dar umsalto de qualidade na política e não antecipar o processo sucessório", afirmou.O governador reiterou, ainda, que o PSDB nãotem nenhuma pressa para estabelecer seu candidato ao pleito municipal. "Não podemos estar em campanha porque nem temos candidato. Quem é o candidato do PSDB? Não temos pressa. Souanestesista, sei controlar a ansiedade e não há razão para estresse", ironizou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.