Para ministro, violência é reação ao plano de segurança

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, disse que os atos violentos da madrugada no Rio são reações do crime organizado ao plano de segurança do governo. "Eles estão sentindo que não tem negociação, não tem complacência, porque o governo não vai conviver com o crime organizado", disse. Thomaz Bastos acredita que os atos foram uma represália à prisão de dois comparsas de Fernandinho Beira Mar na última sexta-feira, opinião compartilhada com o secretário de Segurança Pública do Rio, coronel Josias Quintal. O ministro está reunido com jornalistas estrangeiros na Confederação Nacional do Comércio e não quis falar sobre a suposta responsabilidade direta de Beira Mar nos atos da madrugada. "Isso não é importante. Ele é um prisioneiro como outro qualquer". Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.