Para Mônica Serra, se nada for feito, vira ditadura

"Estamos em uma democracia e essas coisas não podem acontecer. Se nada for feito, estamos em uma ditadura", reagiu ontem Mônica Serra, mulher do presidenciável José Serra, à quebra de sigilo fiscal de tucanos.

Angela Lacerda, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2010 | 00h00

"Quando isso acontece sistematicamente é uma questão muito mais séria, porque é uma questão do direito, de como ele está funcionando", disse.

"Me sentiria em uma ditadura se passasse em branco e nada acontecesse", reiterou, ao avaliar o caso como perseguição, já que um dos alvos tem vinculação familiar com Serra (Gregório Marin Preciado, casado com uma prima do candidato).

Mônica deu entrevista no início da tarde, em restaurante no bairro de Brasília Teimosa, onde almoçou ao lado de mulheres aliadas da coligação que apoia Serra em Pernambuco (PSDB-PMDB-DEM-PPS). Ela preferiu minimizar as pesquisas que apontam a queda de Serra. "Pesquisa é coisa de momento, voto e eleição se definem no dia, quando se abrem as urnas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.