Para não cair em golpes

Remetente: Olhe com desconfiança para os e-mails que você recebe em nome de empresas e instituições ou pessoas desconhecidas. Senhas, números de cartão de crédito e outras informações confidenciais nunca serão solicitadas por e-mail. Caso receba um e-mail suspeito, delete-o imediatamente, antes mesmo de abrir anexos ou clicar em links.Se quiser checar a origem do e-mail, entre em contato por telefone com a empresa ou instituição citada. Links: Evite clicar em links recebidos por e-mail. Passando o mouse sobre ele, sem clicar, dá para ver o nome do arquivo no pé da página. Nunca clique em arquivos com extensão .exe, .com, .scr e .pif. Há ainda o cuidado com o apelo sentimental: Muitos caem nos e-mails falsos com apelos, com mensagens do tipo "você está sendo traído" ou "eu te amo" e clicam em links que instalam programas nocivos. O mesmo vale para cartões virtuais.Impessoalidade: E-mails falsos costumam ser impessoais, com saudações como "Oi" ou "Prezado Cliente". Se o seu nome não for mencionado, desconfie.Armas: Junto com o bom senso do internauta, os antivírus também podem ajudar na guerra contra golpes virtuais.Também é recomendado o uso do firewall e anti-spam. E, principalmente, caso verifique saques irregulares na conta, avise imediatamente o banco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.