Para o Deic, policiais dão cobertura à quadrilha

Assaltante que invadiu casa ontem já esteve no Cadeião de Pinheiros

Josmar Jozino, O Estadao de S.Paulo

08 de novembro de 2008 | 00h00

O grupo responsável pelo mais violento assalto a bancos registrado na Grande São Paulo este ano conta com a segurança de policiais militares e civis. A suspeita é do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic). Os agentes públicos ficariam encarregados até de fazer a escolta dos bandidos na saída das agências bancárias. Eles ainda informariam por radiocomunicador a posição de cada patrulha "fora do esquema".Em junho, foram presos em São Paulo dois sargentos e dois soldados da Polícia Militar que usavam, no horário em que deviam patrulhar as ruas da Mooca, na zona leste de São Paulo, as viaturas, as armas e os rádios da corporação para garantir o sossego de uma quadrilha de ladrões de caixas eletrônicos. Os bandidos levaram uma hora para, usando uma serra e um programa de computador, sacar R$ 65 mil do caixa da Rua Fernando Falcão. Enquanto isso, os PMs ficaram na esquina ou dando voltas nas proximidades para garantir que outros policiais, seguranças do banco ou bandidos não incomodassem.No caso atual, os policiais estariam atendendo às ordens do principal chefe do Primeiro Comando da Capital (PCC) em liberdade, Carlos Antônio da Silva, o Balengo. Quem agia ao lado de Balengo e servia como ligação com outros grupos criminosos é Elielton Aparecido da Silva, de 32 anos, preso em flagrante ontem, após se entregar à polícia no Tremembé, zona norte. Silva era procurado por roubo e já cumpriu pena no Cadeião de Pinheiros. Segundo informações preliminares, ele integrava o grupo de Luiz de França, 38 anos, o Escadinha, seqüestrador de gerentes de bancos, detido no dia 21. Com o celular grampeado pela Polícia Civil, Escadinha viajava 200 quilômetros, de Sorocaba (SP) a Jacutinga (MG), para falar com a mulher, de um orelhão. O criminoso, integrante do Primeiro Comando da Capital (PCC) e foragido da Justiça desde 2002, temia ser rastreado. Mas foi preso no sul de Minas, quando conversava de um telefone público.Policiais da Delegacia de Roubo a Bancos do Deic monitoravam Escadinha havia um mês e meio. Ele escapou em 2002 de um presídio de Sorocaba, no interior paulista. Segundo o delegado Ruy Ferraz Fontes, o assaltante comandou, este ano, os seqüestros de três gerentes de bancos no ABC e um na zona leste. O bandido foi filmado e um arsenal foi apreendido na casa dele. Escadinha é suspeito ainda de ter participado dos assassinatos de Sherley Nogueira, o Fininho, ex-integrante da cúpula do Primeiro Comando da Capital, e da mulher dele, a advogada Eva Wilma, em 2006. MAIS CASOS 18/7: Tentativa de assalto a uma agência do Bradesco na Avenida Lauro Ferreira de Camargo, no Butantã, terminou com um policial e dois bandidos mortos. Na fuga, outros dois ladrões atropelaram uma mulher e uma criança15/7: Após assalto a uma agência do Banco do Brasil na Avenida Guilherme Cotching, na Vila Maria, três criminosos foram presos e um foi baleado. Cerca de 15 reféns, entre funcionários e clientes, haviam sido dominados 25/6: Um homem, com uma carteira funcional de PM falsa, foi preso ao tentar assaltar um banco na Rua Estados Unidos 5/6: Dois homens com armas de brinquedo tentaram assaltar o Banco Real da George Corbisier, no Jabaquara 17/5: O Citibank da Avenida Brás Leme, na zona norte, foi assaltado por quatro homens - dois armados. Mais de R$ 49 mil, pertences de reféns, dólares e euros foram levados25/3: Um segurança do Banco do Brasil morreu, após reagir à tentativa de assalto à agência da Estrada do Campo Limpo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.