Para polícia, morte de ex-policial suíço foi crime comum

Para a Polícia do Rio, o assassinato de um ex-policial suíço em Cabo Frio, na Região dos Lagos (litoral fluminense), no último fim de semana foi um crime comum. É o que informou nesta quarta o secretário de Segurança Pública do Rio, Marcelo Itagiba. A polícia prendeu Jonathan Barreto Cerpa, acusado de ter disparado os três tiros que mataram Paschoal di Camilo, de 50 anos. Um celular e R$ 230 roubados da vítima foi encontrado pelos policiais com o preso. "Pelo que apuramos, esse suíço foi atraído por uma mulher para um local onde bandidos praticaram um roubo, que se tornou um latrocínio. Não há nada que leve a qualquer suspeita em outro sentido. Ele já estava radicado no Brasil, não era um turista em visita", disse Itagiba, afastando a possibilidade de o ex-policial ter sido vítima da vingança de mafiosos europeus que já tinha investigado, como foi cogitado na imprensa suíça. Aposentado, Paschoal di Camilo casou-se com uma brasileira e mudou-se para o sul da Bahia. O suíço deixou a mulher, que está grávida, em Itabuna (BA) e foi para a Região dos Lagos com o sogro, Antônio Gilberto da Silva, de 55 anos. O sogro disse aos policiais que eles foram a Cabo Frio negociar o aluguel de uma casa. Segundo ele, na companhia de uma terceira pessoa, um amigo morador de Cabo Frio, o suíço ligou para o celular de uma ex-namorada, mas quem atendeu foi a vendedora Paula dos Santos José, de 19 anos. A polícia suspeita que ela seja garota de programa. Ela marcou um encontro com eles num bar e depois os convidou para ir à casa de uma amiga, onde ocorreu o crime. Em depoimento, Paula contou que avisou Cerpa e um comparsa que atrairia o suíço para o local e combinou o assalto. Os dois ficaram escondidos abordaram o carro quando eles chegaram à porta da casa da amiga. Apesar de não ter Paschoal di Camilo não ter resistido ao assalto, testemunhas disseram que Jonathan, muito nervoso, fez os disparos e fugiu. Paula foi indiciada como partícipe e a polícia ainda busca o cúmplice de Cerpa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.