Para prefeito, morte de Celso Daniel foi crime comum

O prefeito de Santo André, João Avamileno (PT), disse hoje que tudo indica que a morte do prefeito Celso Daniel tenha sido um crime comum. Ele, no entanto, não descarta a hipótese de que o crime seja político, nem de que haja uma ligação com o assassinato do prefeito de Campinas, Antonio da Costa Santos (PT), ocorrido em setembro último. Os dois crimes permanecem sem solução.Avamileno esteve reunido com o governador Geraldo Alckmin, no Palácio dos Bandeirantes, por cerca de uma hora e meia. Segundo ele, além de falar sobre as parcerias que estão em andamento, também foi cobrado do governador maior empenho na investigação do assassinato do ex-prefeito Celso Daniel. "Só vou estar completamente satisfeito no momento em que descobrirmos quem assassinou nosso prefeito", afirmou.O prefeito de Santo André admite que está havendo um esforço do governo paulista e das polícias civil e militar no processo de apuração do crime, mas reafirmou críticas feias há cerca de duas semanas em relação ao rumo das investigações. Ele se referiu à coação de testemunhas e à transformação de uma das testemunhas (Sérgio Gomes da Silva, amigo que acompanhava Daniel) em um dos principais suspeitos do crime. "Fizemos essa reclamação, e o governador se comprometeu a corrigir as falhas no rumo da investigação", disse Avamileno.Também participaram da reunião o deputado federal Luis Eduardo Greenhalgh (PT-SP), o secretário estadual de Segurança Pública Paulo de Castro, o deputado estadual Carlinhos Almeida (PT), o secretário estadual da Casa Civil Rubens Lara, Gilberto Carvalho (chefe de gabinete de Avamileno) e o presidente da Câmara Municipal de Santo André Carlos Augusto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.