Para promotor, país vive processo de "colombialização"

O presidente da Associação Nacional de Membros do Ministério Público, Marfan Vieira, disse que o País está vivendo um processo de ?colombialização?, com o crescimento da violência. "Os juízes poderiam se revezar para não haver a personalização do julgador, a identificação dele. Seria um passo importante para evitar esse tipo de retaliação, mas, para isso, é preciso mudar a legislação", afirmou, referindo-se ao assassinato do juiz capixaba Alexandre Martins Castro Filho, esta manhã. Vieira informou que, no início do ano passado, uma série de propostas de combate à violência foram encaminhadas à Câmara dos Deputados. Mas, segundo ele, nada foi aproveitado. "Quando o Celso Daniel (ex-prefeito de Santo André) e o procurador Francisco Lins do Rêgo (de Belo Horizonte) foram mortos, eu já alertava para essa colombialização", disse Vieira. Entre as propostas levadas a Brasília estão a agilização dos processos penais e a criação de um banco de dados nacional para ajudar o serviços de inteligência na troca de informações para o combate ao crime organizado.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.