Para ter a casa sempre nova

A Caixa também está com boas condições para financiamento de materiais de construção

, O Estadao de S.Paulo

21 de maio de 2009 | 00h00

A Caixa Econômica Federal melhorou este ano as condições para os mutuários que pretendem construir ou reformar a casa. As linhas de crédito que utilizam recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para a compra de materiais de construção são as mais baratas do mercado, e os limites de crédito ficaram maiores.O banco passará a financiar reformas em unidades imobiliárias com custo de até R$ 80 mil. Antes da mudança, em abril deste ano, o valor máximo não podia exceder R$ 70 mil. Para ter acesso a essa linha, a renda familiar deve ser de até R$ 4.900. Neste caso, o salto foi de R$ 1.900. Já o teto de financiamento permanece o mesmo para a compra de materiais de construção. Ou seja, R$ 70 mil. Contudo, o limite de renda familiar no uso da linha cresceu de R$ 1.900 para R$ 4.900. O gerente regional da Caixa, Luiz Carlos Previlato, acredita que a expansão da faixa de renda irá atrair a atenção das famílias da classe média. As linhas com recursos do fundo oferecem os juros mais baixos. O mutuário, por exemplo, que financiar uma reforma pagará taxas que variam entre 5% e 8,16% ano, mais a Taxa Referencial (TR). O valor exato depende da garantia. Se o financiamento se restringir à compra de materiais de construção, os juros serão de 5% ao ano, mais a TR.O vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Marcelo Ribeiro de Oliveira, admite que as taxas de juros são baixas em relação às verificadas em outros países e positivas para o mutuário que vai reformar casa ou comprar materiais de construção. Apesar disso, ressalva que o interessado deve comparar as taxas disponíveis no mercado para se certificar de que optou pelo caminho certo. ''É preciso comparar. Há redes de materiais de construção que vendem em até 12 vezes sem juros no cartão de crédito. Por isso pode ser melhor comprar dessa maneira'', afirma Oliveira. As mudanças das linhas de crédito também beneficiaram associações e cooperativas. O valor máximo financiado para a compra de lotes passou de R$ 25 mil para R$ 28 mil. Já o limite de renda para acesso ao crédito está em R$ 2.790.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.