Reuters
Reuters

Para triplicar ciclovias em 5 anos, Paris vai investir R$ 490 milhões

Projeto inclui também construir garagens para bikes em estações de trem e metrô e a redução da velocidade dos carros

Andrei Netto , O Estado de S. Paulo

11 de abril de 2015 | 03h00

PARIS - Para enfrentar os picos de poluição em Paris, que preocupam cada vez mais a opinião pública, a prefeitura da capital da França anunciou um projeto de € 150 milhões (R$ 490 milhões) para triplicar, até 2020, a extensão das ciclovias. A administração pública vai instalar garagens para bicicletas em grandes estações de metrô e de trem, generalizar a limitação da velocidade dos automóveis a 30 km/h e transformar a cidade na “capital mundial das bicicletas”. 

O objetivo é fazer das duas rodas um modal de transporte complementar das redes de metrô, de tramway e de ônibus e reduzir o espaço dos veículos particulares. O projeto será avaliado na terça-feira pelo Conselho Municipal, e tem apoio até da oposição. O projeto começou a ser discutido em 2014 e toma por base 7 mil sugestões. A ideia é triplicar o número de trajetos domicílio-trabalho realizados em Paris, elevando de 5% para 15% a participação de bicicletas no transporte da capital nos próximos cinco anos. 


Para tanto, a prefeitura projeta duplicar a rede de ciclovias, passando de 700 quilômetros para 1,4 mil quilômetros. Uma rede de trânsito expresso será criada, cortando a cidade de norte a sul e de leste a oeste, além de outra às margens do Rio Sena, que atravessa a cidade. 

Grandes artérias, como Boulevard Sébastopol e Rue de Rivoli, terão parte das pistas convertida exclusivamente para as bicicletas, ampliando a segurança dos 225 mil ciclistas locais. 

O projeto de investimentos prevê € 63 milhões para novas pistas, € 40 milhões em reformas, € 10 milhões para compra de bicicletas, bicicletas elétricas, triciclos e de carga e € 7 milhões para a construção de 10 mil vagas em estacionamentos. Em grandes estações de metrô e trens, como Montparnasse e Lyon, haverá planos de estacionamento de € 5 por mês para guardar bicicletas 24 horas. 

Automóveis. Além de estimular o uso de bicicletas, a administração pública também tenta desestimular o uso de automóveis. Um total de € 30 milhões serão investidos para ampliar o “Paris a 30 km/h”. “Daremos o espaço dos automóveis para as bicicletas”, disse o secretário de Transportes, Christophe Najdovski, do movimento Partido Verde (EELV). 

O orçamento total é igual ao que será investido por Amsterdã, mas inferior ao de Londres, que tem projetos de € 1,2 bilhão para redes de ciclistas. Mas Paris já apresenta uma das melhores redes de bicicletas públicas, a Vélib, que tinha, em 2014, 283 mil assinantes - número em alta, comparado aos 255 mil de 2013. De acordo com o instituto de pesquisas TNS Sofres, 90% dos clientes se dizem satisfeitos em usar bicicletas para trajetos dentro de Paris. “Há uma topografia favorável à prática do ciclismo, é uma cidade densa e as distâncias a serem percorridas não são muito longas”, explicou Najdovski. 

Ao reforçar a rede de ciclovias, a prefeitura de Paris pretende também enfrentar o problema da poluição do ar e dar o exemplo ao mundo, no momento em que a França se prepara para receber a 21.ª Conferência Mundial do Clima (COP 21), em dezembro. 

Apoio dos cicloativistas. Para representantes de associações de ciclistas, como Abel Guggenheim, coordenador do Movimento de Defesa da Bicicleta (MDB), o plano é bom e foi aprimorado em relação aos anteriores, anunciados nos anos de 1980, 1990 e 2000.

Mais conteúdo sobre:
Pariscicloviasmobilidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.