Para tucano, Receita faz operação ''abafa-abafa''

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, afirmou ontem que há impressões "digitais e visuais" que relacionam a quebra de sigilo fiscal de sua filha Verônica e de pessoas ligadas ao partido à campanha da rival Dilma Rousseff (PT). O tucano acusou ainda a Receita Federal de promover uma operação que chamou de "abafa-abafa". "A estratégia da Receita é postergar. Tem sido assim desde o começo", disse, após encontro com o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, em São Paulo.

Julia Duailibi, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2010 | 00h00

O presidenciável também reagiu à declaração do presidente Lula, que disse confiar na atuação do órgão. "A Receita está sendo prejudicada pela ação de arapongas do PT que procuraram instrumentalizar órgãos do governo com vistas a suas propostas político-eleitorais", rebateu.

Indagado sobre as razões que o levam a acreditar que Dilma estaria envolvida no episódio, uma vez que o governo alega ser um caso sem vinculação política, Serra afirmou: "Ela é a responsável, porque é a responsável pela campanha. O esquema de espionagem foi feito com gente nomeada, reuniões, pessoas contratadas e tudo mais. Além do mais, isso é tradicional dentro do PT."

O tucano anunciou que serão tomadas também medidas criminais, além das representações protocoladas no Tribunal Superior Eleitoral. Não quis, no entanto, detalhar. "Isso não é um assunto que queira tratar agora."

Desde que a quebra do sigilo fiscal de sua filha veio à tona, na terça-feira, Serra passou a adotar um tom mais crítico em relação aos adversários. Já havia um entendimento no comando da campanha de que ele deveria adotar atitude mais dura com o governo e com o PT.

Ontem, manteve o tom e disse que o PT e o governo estão "blindando" Dilma. "Aliás, não só nesse episódio. Essa campanha está se caracterizando pelo ocultamento da candidata", atacou. "Na verdade, é uma pessoa desconhecida." Atacou diretamente Dilma ao dizer que ela não tem "histórico de vida pública adequado para responsabilidade de uma candidatura desse tipo".

Farc. Serra acusou o governo de confundir política externa com política partidária e condenou a conivência em relação às Forças Armadas Revolucionárias (Farc), da Colômbia. "O Brasil deveria explicitar que se trata de força terrorista e ligada ao narcotráfico." Ele criticou especificamente o assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia. / COLABOROU ANNE WARTH

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.