Parada Gay em BH termina em acidente

O desfile da 5ª Parada do Orgulho Gay de Minas Gerais, realizada neste domingo, em Belo Horizonte, foiinterrompido, no início da noite, por causa de um grave acidente. Um dos quatro trios elétricos que animava a parada, perdeu os freios, atropelou e feriu seis pessoas e só parou após derrubar um poste de energia elétrica, uma árvore e um telefone público. Com a batida no poste, houve uma explosão, aumentando ainda mais o desespero de quemacompanhava o desfile. Na correria, diversas pessoas foram pisoteadas pela multidão. Outras sofreram queimaduras com o rompimento de um fio de alta tensão. Porém, apesar do susto e da confusão, ninguém morreu.Conforme a Polícia Militar, cerca de 10 mil pessoas estavam no local na hora do acidente. Após uma concentração na praça Sete, centro da cidade, a marcha se dirigia para a Assembléia Legislativa, local em que seria realizada umaqueima de fogos. O trio elétrico era o quarto veículo a entrar na avenida Álvares Cabral, Zona Sul da capital mineira. À altura da rua Rio de Janeiro, em um trecho íngreme, o trio perdeu os freios, arrastando quem estava à sua frente. Uma das vítimas chegou a ficar presa debaixo do veículo. Com os impactos no poste e na árvore, algumas pessoas foram arremessadas do caminhão. Os bombeiros chegaram ao local logo em seguida e retiraram a vítima que ficou presa debaixo do trio. Três viaturas transportaram os feridos para o Hospital de Pronto-Socorro (HPS), João XXIII. Conforme informações do pronto-socorro, algumas pessoas, principalmente os transformistas que participavam do evento, não quiseram se identificar, provocando mais confusão na chegada para o atendimento médico. Segundo o HPS, 14 pessoas estão internadas, todas com escoriaçõesA 5ª Parada do Orgulho Gay de Minas Gerais marcaria o lançamento oficial da cartilha com a lei estadual nº 14.170, que prevê multa de até R$ 50 mil e interdição de estabelecimento comercial para quem discriminar pessoas em função da orientação sexual. A parada contava com quatro trios elétricos, shows culturais, atos políticos ehomenagens a duas pioneiras do movimento lésbico brasileiro, a cantora Cássia Eller e Elisabeth Convert.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.