Parada gay reúne 100 mil no Rio

Pelo menos 100 mil pessoas, na avaliação da Polícia Militar, participaram de passeata em comemoração ao Dia do Orgulho Gay, ontem à tarde na Avenida Atlântica, em Copacabana. Os organizadores do evento calcularam em 300 mil o número total de presentes. Muitos aplaudiram com entusiasmo o rápido discurso do Secretário Nacional de Segurança Pública, Luiz Eduardo Soares. "A intolerância é uma das fontes da violência. E esta manifestação pacifista, libertária e cívica demonstra que toda forma de amor vale a pena." O deputado federal Fernando Gabeira (PT-RJ) disse que a partir desta semana uma comissão de parlamentares vai voltar a discutir em Brasília o projeto de lei de autoria da atual prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, de união civil entre pessoas do mesmo sexo. A Parada Gay do Rio destacou-se pela quantidade de idosos espalhados em meio a multidão. Alguns vestiam camisetas ou levavam banderinhas nas cores do arco-íris em apoio ao ato. No carro abre-alas, duas faixas enormes homenageavam o ator e diretor teatral Mauro Rasi, que morreu recentemente. A passeata percorreu quase três quilômetros - do Hotel Copacabana Palace ao Posto 6 - e teve início pouco depois das 16 horas, quando o público entoou o Hino Nacional. Quatro carros de som enfeitados com balões coloridos, como se fossem alegorias de um desfile de carnaval, ocupavam oito quarteirões da Avenida Atlântica com modelos e convidados. Entre um e outro, milhares de gays, lésbicas e simpatizantes (os três grupos perfazem a sigla GLS) dançavam e se divertiam.

Agencia Estado,

29 Junho 2003 | 19h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.