Paraense de 14 anos vence Super Models Brazil

Tayane Leão ganhou R$ 150 mil e contrato com a Ford: ?Sempre disseram que eu levava jeito?

Valéria França, O Estadao de S.Paulo

29 Novembro 2008 | 00h00

Mariana Weickert e Luciana Curtis são algumas das tops que saíram do Super Models Brazil, o maior concurso do gênero no País. Neste ano, a disputa começou com 700 mil candidatos, jovens de todas as partes do Brasil, com idades entre 14 e 19 anos. Ontem, aconteceu a última etapa nacional do concurso, no Espaço das Américas, na Barra Funda, zona oeste. E a campeã entre as 16 garotas finalistas foi Tayane Leão, de 14 anos, natural de Parauapebas (PA). "Todo mundo sempre disse que eu levava jeito para ser modelo." Ela ganhou R$ 150 mil e um contrato de quatro anos com a Ford Models. E ainda vai representar o Brasil no Super Model of the World. Se levar o primeiro lugar, vai embolsar mais US$ 250 mil.Entre os seis rapazes que disputavam o primeiro lugar, o vencedor foi Francisco Lachovsky. O curitibano de 17 anos ganhou um contrato internacional de prazo indeterminado com a agência patrocinadora. Os outros cinco rapazes finalistas ganharam contrato com a Ford no Brasil. Todos os finalistas dessa noite ganharam uma espécie de prêmio de consolação: um book pago pela Ford.Na passarela, não havia nem experiência nem grife. As new faces entraram com roupas das Lojas Pernambucanas. Não bastasse a expectativa e o nervosismo dos 22 participantes, pela primeira vez o concurso foi transmitido ao vivo pela MTV, com apresentação de Marina Person e som do NXZero.Nos 16 anos em que o País participa do concurso, apenas uma brasileira venceu a etapa mundial. Foi Camila Finn, de Botucatu, que, em 2005, aos 13 anos, desbancou 5 milhões de garotas de 44 países. Camila tinha 1,75 metro, 48 quilos e cursava a 7ª série do ensino fundamental. Ainda brincava com ursinhos. Hoje, é top concorrida do São Paulo Fashion Week. Ela também já foi exclusiva de Calvin Klein em Nova York, e desfilou para Gucci, Balenciaga e Chanel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.