Paraguai pede prisão de sete ladrões de banco brasileiros

A promotora paraguaia Teresa Sosa denunciou nesta terça-feira, 5, sete brasileiros pela tentativa de furto do ABN Amro Bank, em Assunção, descoberta em 22 fevereiro. O roubo, que seria feito por meio de um túnel com 166 metros de extensão, foi frustrado porque funcionários do banco, alertados pelo barulho das escavações - que já se aproximavam da caixa-forte - avisaram a polícia. Os sete brasileiros denunciados são: Manuel Messias da Silva (Magrinho), Antonio Nascimento Alves (Dedos), Marcelo Rodrigues Saara (Marcelinho), Carlos Roberto Maia (Belo), Douglas da Silva (Menudo), Luciano Freire de Souza (Marcos ou Zequinha) e Marcelo Gómez da Silva (Sandro Eggers). Os ladrões não foram presos quando o plano foi descoberto, pois dispunham de um rádio que recebia as transmissões da polícia. O rádio havia sido entregue a eles pelo chefe do Departamento de Crimes Financeiros, Vidal Machado. O policial foi expulso da corporação. Segundo a promotora, cerca de 30 brasileiros, vários deles ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC), integravam a quadrilha contratada pelo comerciante de cigarros Rodney Cano poucos dias depois do roubo à agência do Banco Central em Fortaleza. A escavação do túnel, iniciada em novembro de 2005, era supervisionada por Arnaldo Guerrero, empregado de Cano. Para identificar os sete brasileiros - cuja ordem de captura internacional deverá ser expedida pelo juiz Roberto Martinez, que recebeu a denúncia - Teresa contou com a ajuda da Polícia Federal. "Eles nos ajudam muítíssimo", disse a promotora à reportagem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.