Paraguai vai à ONU contestar refúgio dado pelo Brasil a acusados de sequestro

O governo do Paraguai levará uma queixa formal à ONU contra a decisão do Brasil de dar status de refugiado a três paraguaios, no que é a primeira disputa bilateral entre os dois países a chegar às instâncias internacionais. O Brasil já enfrenta o questionamento da Itália em relação à situação do ex-ativista Cesare Battisti. Segundo as autoridades de Assunção, os refugiados já teriam sido condenados por sequestros e crimes no país e o Brasil estaria violando as convenções de Genebra sobre refugiados ao conceder o benefício e a proteção aos três paraguaios. Assunção alega que Juan Arrom, Anuncio Marti e Victor Colman formavam parte do obscuro Partido Patria Livre (PPL), uma entidade supostamente de extrema esquerda. Os paraguaios acusam o PPL de ter ligações com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e que as duas entidades teriam colaborado para o sequestro da filha do ex-presidente do Paraguai Raul Cubas, em 2005.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.