Paraisópolis lidera em apreensões

Os números da PM de 2008 revelam tráfico intenso

Josmar Jozino, O Estadao de S.Paulo

13 Fevereiro 2009 | 00h00

A Favela de Paraisópolis, na zona sul de São Paulo, foi a campeã em quantidade de drogas apreendidas pela Polícia Militar no ano passado e a vice em números de apreensões, com 66 ocorrências. Ela perdeu apenas para a Favela de Heliópolis (91 casos), também na zona sul. Os dados constam da estatística anual do Comando de Policiamento da Capital (CPC).A PM não tem a quantidade de drogas encontradas em 2008 em São Paulo, mas sabe que a maior apreensão ocorreu em 22 de novembro, quando homens da 6ª Cia do 16º Batalhão flagraram 8,5 toneladas de maconha num caminhão na Favela de Paraisópolis. Outro levantamento feito pela Polícia Militar constatou que a média de apreensões de drogas realizadas pelas 102 companhias da corporação na Capital foi de 15. No batalhão de Paraisópolis, o número foi quatro vezes superior e no de Heliópolis, 6 vezes.Em extensão, porém, a Favela de Paraisópolis, com 80 mil habitantes, tem 225 metros quadrados e é quatro vezes menor do que a de Heliópolis, cuja população é de 120 mil pessoas - distribuídas em 1 milhão de metros quadrados. Segundo a polícia, o tráfico aparenta ser mais intenso em Paraisópolis.Em 2008, das 157 ocorrências de flagrante em Paraisópolis realizadas apenas por PMs da 6ª Cia do 16º Batalhão, 66 - quase a metade - foram de tráfico. "Tudo isso foi feito só pelas unidades de patrulha da área. Mas é possível que homens da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) e da Polícia Civil tenham realizado outras apreensões", ressaltou o coronel Danilo Antão Fernandes, responsável pelo Comando de Policiamento de Área Metropolitano. De acordo com o oficial, os líderes do tráfico em Paraisópolis costumam usar adolescentes para distribuir entorpecentes. "Somente no primeiro semestre do ano passado, nas 18 ocorrências de flagrante de tráfico, os policiais militares apreenderam 27 menores. Em todo o ano, foram apreendidos pelo menos 60 infratores envolvidos com o tráfico." Os maiores consumidores de drogas de Paraisópolis são os moradores das classes média e média alta do Morumbi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.