Paraná inaugura segunda penitenciária industrial

O Paraná ganhou hoje a segunda penitenciária industrial, em Cascavel, a 520 quilômetros de Curitiba, no oeste do Estado. A primeira funciona desde 1999 em Guarapuava, no sul do Estado, a 260 quilômetros da capital. A nova unidade tem capacidade para 240 detentos - dois em cada cela -, a maioria dos quais trabalhará na indústria Anjos Estofados, de Capitão Leônidas Marques, a 70 quilômetros de Cascavel, que montou uma planta dentro da penitenciária.A construção, com mais de 7 mil metros quadrados, custou R$ 7,5 milhões, dos quais 80% oriundos do Ministério da Justiça, e o restante do governo estadual. Dos 180 presos que trabalharão na indústria de móveis, 30 já estão sendo treinados. Outros 60 detentos serão aproveitados em setores como cozinha, lavanderia, limpeza e padaria. Os presos recebem um salário pelo trabalho (25% ficam para o sistema penitenciário) e têm direito a remissão de pena. Cada três dias trabalhados dão direito a um dia a menos de condenação.A administração da unidade de Cascavel, assim como a de Guarapuava, está a cargo da Humanitas Administração Prisional, de Curitiba. No entanto, o governo do Estado é quem indica o diretor, o vice e o chefe de segurança da penitenciária. "O sistema de terceirização, adotado tanto para a administração como para a fábrica, possibilita melhor atendimento ao preso, sem gasto excessivo para o governo do Estado", afirmou o diretor da Penitenciária Industrial de Cascavel, Wilson Antônio Meneduziak.A Humanitas está contratando agentes penitenciários e pessoal para os setores de administração, assistência jurídica, médica, odontológica, psicológica e social. De acordo com o governo, o índice de reincidência na Penitenciária Industrial de Guarapuava é de 6%, enquanto a média nacional fica em 37%. A próxima penitenciária industrial do Estado será inaugurada no final do ano em Maringá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.