Paraná paga por denúncia contra criminosos

Informante Cidadão visa a combater a violência na fronteira, principalmente por causa de tráfico

Miguel Portela, CASCAVEL, O Estadao de S.Paulo

11 de março de 2009 | 00h00

A criminalidade na fronteira do Brasil com o Paraguai está levando municípios da região oeste do Paraná a adotar algumas medidas extremas para combater a escalada da violência e o crime organizado. Em Cascavel, por exemplo, as Polícias Federal e Militar e a prefeitura lançaram na segunda-feira o programa Informante Cidadão. A iniciativa inédita vai oferecer recompensa em dinheiro para quem auxiliar a polícia com denúncias de pessoas envolvidas com o crime, em especial o tráfico de drogas. "A denúncia que for apurada e confirmada vai receber uma recompensa em dinheiro. O nosso departamento jurídico está definindo com a Polícia Federal como vai ser feita a normatização dessa questão, que consideramos legítima para combater a criminalidade", disse o prefeito de Cascavel, Edgar Bueno (PDT). O valor da recompensa ainda não foi estipulado, mas deve variar de acordo com a importância da denúncia. O programa foi anunciado em meio à escalada da violência na faixa de fronteira entre o Brasil e Paraguai, área considerada pela polícia como porta de entrada de drogas, armas e munição ao Brasil, além de contrabando de mercadorias. O número de crimes violentos na região vem aumentando e, segundo as autoridades de segurança brasileiras, eles, em sua maioria, estão relacionados com o trafico de entorpecentes. O serviço Narcodenúncia 181, da PM, auxiliou as polícias a apreender 723 quilos de cocaína, 86,7 toneladas de maconha e 1,843 milhão de pedras de crack em 2008. A apreensão desta droga teve uma alta de 46,7% no ano passado, em relação a 2007. O programa vai ser coordenado pela Polícia Federal com a Força Samurai, grupo de elite da Polícia Militar. O delegado da Polícia Federal de Cascavel, Algacir Mikalovski, afirmou que a ação tem o objetivo de reprimir e prevenir a criminalidade utilizando o serviço de inteligência dos organismos policiais. A expectativa das autoridades é de que a ação tenha reflexos em todo o Paraná. "A operação consiste em uma repressão forte ao tráfico de drogas local e internacional e paralelamente a prevenção, que será realizada com crianças e jovens", explicou Mikalovski. O delegado destacou ainda que o foco no combate ao tráfico de drogas é fundamental "porque ele tem conexão com outros crimes". Uma equipe de 14 policiais da Força Samurai vai ser deslocada de Curitiba para atuar na cidade, onde a prefeitura cedeu um prédio público para ser transformado no "quartel-general" do programa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.