Parentes buscam informações sobre vítimas do acidente no Ceará

Parentes das vítimas do acidente estão em frente à sede local da Itapemirim, em Fortaleza, tentando saber informações sobre o acidente envolvendo o ônibus da empresa, que caiu neste sábado no açude Cipó, em Barro, a 536 quilômetros da capital cearense. A lista de passageiros ainda não foi liberada para a imprensa. E o número total de mortos também não foi confirmado. Iara Marta Poty foi saber se o noivo dela, Cláudio Roberto Figueiró, de 32 anos, estaria entre os mortos. Ele teria embarcado ontem, às 20h30min de Fortaleza com destino à Salvador. De acordo com Iara, Cláudio Roberto é natural de Porto Alegre (RS) e veio à Fortaleza conhecer a família dela. "Daqui ele foi passar o Carnaval em Salvador na casa de uma grande amiga nossa", disse Iara, que preferiu não acompanhar o noivo.A artesã cearense Francisca Alacy de Sousa, que perdeu a viagem, disse que estava chocada com o acidente e não não iria mais viajar para Salvador. "Perdi a viagem que faria para vender meu artesanato em Salvador durante o Carnaval por problemas particulares e não vou mais viajar agora. Estou abalada", revelou ela que mora no bairro Parquelândia, em Fortaleza. O ex-motorista da Itapemirim, Marcos Antônio Jerônimo, disse que o motorista Paulo Monteiro estava há pouco tempo na empresa (três anos). Jerônimo passou 10 anos na Itapemirim e afirmou que a viagem até Salvador é muito desgastante. "Além do mais para a troca de motoristas que acontece em Barro a distância de Fortaleza é grande, mais de 460 quilômetros de estradas esburacadas, animais na pista e o cansaço do motorista", criticou lembrando que o açude Cipó não tem grades de proteção. Em Barro, o feirante Francisco Pereira de Sousa, que vinha a 200 metros do ônibus da Itapemirim asssitiu o acidente. "O ônibus desgovernou-se e foi para contramão e caiu no açude. Vi ainda um homem agarrado ao retrovisor externo, mas ele acabou se afogando", disse Sousa. O feirante ia de Cajazeiras (PB) para vender seus produtos na cidade de Barro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.