Parentes começam a deixar hotel

Outra parte dos familiares ficará hospedada no centro do Rio

Pedro Dantas, O Estadao de S.Paulo

09 de junho de 2009 | 00h00

Os familiares das vítimas do voo 447 da Air France estão sendo transferidos do Hotel Windsor da Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio, para o Windsor Guanabara, no centro. A mudança foi necessária em função de um grande evento que começa hoje no hotel. A Air France informou que manterá o apoio logístico e psicológico para as famílias por telefone e pessoalmente no novo local. Muitos parentes também começaram a voltar para as suas casas. Acompanhe todas as notícias e o que já foi publicado a respeito da tragédia"A orientação agora é esperar pelo contato das autoridades após a identificação dos corpos", afirmou Maarten Van Sluys, irmão da passageira Adriana Francisca Van Sluys. Segundo ele, poucas famílias que moram em outros Estados permanecerão no Rio. Os familiares das vítimas também discutem a possibilidade de alguns viajarem até o Recife para acompanhar as operações de busca e resgate de corpos e objetos. Eles também fizeram um apelo ao ministro da Justiça, Tarso Genro, no sentido de que após o reconhecimento dos corpos o processo burocrático seja agilizado.A Polícia Federal continuou ontem, pelo terceiro dia, a coleta de dados, sangue, fios de cabelo e saliva para a realização de futuros exames de DNA para identificação das vítimas do acidente. "Coletaram a minha saliva e a da minha mãe. Não tenho mais esperanças em sobreviventes. Espero que um dos corpos encontrados seja do meu pai para que isso termine e tenhamos algum alívio", afirmou o estudante de Direito Sylvain Owondo, de 27 anos. O militar reformado Nelson Faria Marinho, pai do passageiro Nelson Marinho, elogiou o esforço dos militares nas operações de busca, mas comentou sobre o sucateamento das Forças Armadas. "A única fragata com um helicóptero disponível estava no Rio e levou três dias para chegar ao local."As missas em homenagem às vítimas continuam acontecendo no Rio. Ontem à tarde, na Paróquia Nossa Senhora de Copacabana, na zona sul do Rio, o homenageado foi o maestro Silvio Barbato, regente do Theatro Municipal e da Orquestra Sinfônica de Brasília. Amanhã, a Michelin homenageará o presidente para a América do Sul, Luiz Roberto Anastácio, e os funcionários Antonio Gueiros e Christin Pieraerts, em missa no Mosteiro de São Bento, às 15 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.