Tiago Queiroz/AE
Tiago Queiroz/AE

Parentes das vítimas se reúnem em PE com comando das buscas

Familiares foram ao Cindacta-3 conhecer esforços e dificuldades enfrentadas pelas equipes no oceano Atlântico

Mõnica Bernardes, de O Estado de S. Paulo,

05 de junho de 2009 | 12h53

Os parentes das vítimas do Airbus decidiram não falar com a imprensa após a reunião com o Comando de Operações Militar da Marinha e da Aeronáutica realizada nesta sexta-feira, 5, no Cindacta-3, em Recife. Eles pretendem apresentar as informações aos demais familiares no Rio e discutir uma manifestação conjunta.

 

Veja também:

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

lista Air France divulga lista de brasileiros no Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especial Conheça o Airbus A330 desaparecido no trajeto Rio-Paris  

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especial Cronologia dos piores acidentes aéreos dos últimos dez anos

video TV Estadão: Especialista fala sobre o acidente

linkDestroços e óleo recolhidos não são do Airbus, diz Aeronáutica

 

Os parentes assistiram no Cindacta-3 a uma exposição sobre a operação de busca por destroços da aeronave e suas dificuldades e retornam nesta sexta-feira ao Rio.  Segundo o capitão da Marinha Giucemar Tabosa o encontro foi proveitoso e perimtiu aos familiares conhecerem em detalhes os esforços e as dificuldades enfrentadas pelas equipes que trabalham no resgate.

 

Comissão

 

Um grupo formado por 13 pessoas que representam as famílias das vítimas brasileiras do Voo 447 da Air France chegou por volta das 10 horas desta sexta-feira, 5, à cidade de Recife para obter informações sobre as buscas na região. Eles embarcaram em uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB). Eles vão conversar com os oficiais que conduzem as operações e voltam para o Rio ainda hoje, segundo o diretor do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), brigadeiro Ramon Borges Cardoso.

 

A viagem foi uma iniciativa da Aeronáutica após os protestos dos parentes das vítimas brasileiras do acidente devido à falta de resultados da busca e pelas informações contraditórias divulgadas pelos militares.

 

"Nossa intenção é conversar e explicar o trabalho que estamos fazendo e as dificuldades que estamos enfrentando", afirmou Cardoso. "Colocaremos à disposição dos parentes todo o comando da operação e responderemos a todas as perguntas sobre o trabalho que estamos desenvolvendo", acrescentou o oficial.

 

A comissão de parentes voltará ao Rio de Janeiro hoje à tarde, pois devem participar de um novo culto em memória das vítimas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.