Parlamentares e ministros abrem guerra contra Caixa

Parlamentares e ministros viraram aliados numa guerra contra a Caixa Econômica Federal. Apesar de estatal, ela quer quase dobrar a taxa cobrada para fazer o repasse do dinheiro das emendas dos parlamentares para municípios de suas bases eleitorais.

O Estado de S.Paulo

20 Setembro 2011 | 06h08

As discussões esquentaram porque nesta semana o Planejamento começa a liberar recursos das emendas parlamentares do Ministério das Cidades referentes a 2011. Sem a renovação do contrato, os municípios correm risco de ficar sem o dinheiro.

A Caixa presta serviço para 17 ministérios e cobra taxa de até 2,5% do valor repassado, mas pretende elevá-la para 4,5%. A briga do momento é com o Ministério das Cidades, o primeiro na lista de renegociação. Depois virão Turismo e Esportes.

Os técnicos da pasta das Cidades consideram um "absurdo" a Caixa pressionar por aumento de tarifa no momento em que a equipe econômica prega contenção de gastos públicos.

Por sua assessoria, o ministério informou apenas que "está em tratativas com a Caixa para ajustar as cláusulas contratuais". Oficialmente, a Caixa também confirma as conversas. Mas o vice-presidente de Governo do banco, José Urbano, disse não haver intenção de aumentar o valor cobrado. "Não existe esse pedido. Precisamos detalhar os procedimentos para definir o custo", afirmou. "Atendendo ao TCU, não trabalhamos abaixo do custo." / EDNA SIMÃO e ADRIANA FERNANDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.