Parque da Mônica sai do Eldorado até abril

Mauricio de Sousa diz que, em novo endereço, haverá modernização

Naiana Oscar, O Estadao de S.Paulo

25 Julho 2009 | 00h00

O Parque da Mônica vai mesmo deixar o Shopping Eldorado, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo. A estrutura que ocupa 9 mil metros quadrados será desmontada até abril. O prazo de nove meses foi um pedido de Mauricio de Sousa, criador da Turma da Mônica e proprietário da empresa que administra o parque. O período de mudança, segundo ele, já foi negociado com o shopping e está agora sendo revisado pelos advogados das duas empresas. A saída do parque do Eldorado, onde ficou instalado por 17 anos, não é o fim, garante o empresário. Outros três locais, não revelados, estão sendo estudados. Sousa adiantou que o novo parque terá "um toque de modernidade". "Devemos importar alguns brinquedos e queremos dar uma atenção melhor aos jovens e adultos que acompanham as crianças." A notícia do fechamento surgiu no início do mês. A nova administradora do shopping alega que o empreendimento está passando por reestruturação e que o espaço do parque não atende mais às expectativas de seu público-alvo, que mudou de perfil. O contrato de aluguel dos dois subsolos ocupados pelo parque deveria ser renovado a cada cinco anos, mas desde 2002 a documentação não é atualizada, segundo o shopping. Sousa não quis comentar. "Estamos aprendendo com esse problema, que foi muito desagradável, e vamos aproveitar para fazer modernizações", afirmou. Segundo ele, o parque precisava de investimentos, que vinham sendo adiados por causa da ameaça de mudança. Os gestores do parque estavam descontentes com o local porque o estacionamento para ônibus escolares foi reduzido e o trânsito começou a dificultar o acesso. O novo Parque da Mônica deve ficar pronto em abril ou maio. "Sou rápido", afirmou Sousa. Cerca de 20 parques itinerantes funcionam no País e outros 3 devem ser exportados para Portugal e Angola. No Eldorado, são recebidos 43 mil visitantes por mês, 62% da capital.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.