Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Bruno Ribeiro e Márcio Fernandes, Enviados especiais

31 Outubro 2016 | 03h00

MARIANA - A partir de janeiro, durante as chuvas de verão, parte das ruínas do subdistrito de Bento Rodrigues, em Mariana, Minas Gerais, será alagada. Uma porção de território do vilarejo será coberta pela lama, em uma ação emergencial da mineradora Samarco, empresa controlada pela Vale e pela BHP Billinton, que está construindo um dique entre os destroços da cidade e o Rio Gualaxo do Norte, que deságua no Rio do Carmo, um dos formadores do Doce.

Um ano após a tragédia que deixou 18 mortos e uma pessoa desaparecida, a lama continua a vazar para o rio.

A mineradora afirma que o alagamento vai preservar a maior parte das ruínas. “O projeto de engenharia do dique foi pensado para evitar o alagamento do distrito. A igreja e o cemitério não serão afetados”, diz o coordenador das obras da empresa na cidade, Eduardo Moreira. “Apenas uma parte, que já demarcamos, será alagada.”

Mas uma porção do terreno onde havia casas em Bento Rodrigues e parte de um muro histórico da cidade, construído em pedra por escravos no século 19, serão encobertas pela água.

Prazo. A função dos diques é barrar a lama acumulada na região. A ideia é que filtrem a água, que seguiria com menos lama rio abaixo. “O projeto é que o dique S4 funcione por um prazo de cinco anos”, afirma Moreira. Depois, a obra seria retirada.

Moradores atingidos pela tragédia estão contrariados com a nova obra. “Eles vão encobrir a cena do crime”, afirma a auxiliar odontológica Mônica Santos, de 31 anos. De moradora de Bento Rodrigues, ela virou ativista: milita contra a construção do dique, liberado, de forma emergencial, pelo governador Eduardo Pimentel (PT) antes de as licenças ambientais serem emitidas.

O argumento da Samarco é que 80% da lama que vazou da Barragem de Fundão, rompida em 5 de novembro de 2015, ainda está no trecho que vai dos resquícios da barragem até o encontro com o Rio Gualaxo. E algo precisa ser feito para que as chuvas de verão não espalhem ainda mais o lamaçal. “Não existe isso de desmontar o dique. Se estão fazendo, vai ficar lá”, rebate a moradora. 

Os diques são apenas parte das obras em execução na região. Ao todo, são 12 trabalhos na área. As barreiras das barragens remanescentes estão sendo reforçadas, e o vale que um dia foi a planície de rejeitos de Fundão também está recebendo quatro diques.

Novo Bento. Outra obra é a de reconstrução dos três vilarejos destruídos pela lama – além de Bento, Paracatu de Baixo, também em Mariana, e Gesteira, em Barra Longa.

A promessa é que as obras estejam prontas em 2019. Em Bento Rodrigues, o novo terreno está comprado. Nos demais, as áreas estão em negociação.

O Estado viu um vídeo dos planos para o novo Bento, que ainda não foi apresentado para os moradores. “O projeto está em desenvolvimento. Será construído em parceria com os moradores”, diz Álvaro Pereira, coordenador de projetos da Fundação Renova, entidade criada pela Samarco para tratar do tema. 

O vídeo começa com o fogão a lenha dentro de uma casa. Ao som de viola caipira e de galos cantando, a imagem vai se afastando para apresentar a nova vila. As ruas largas, com três faixas, e as árvores lembram um subúrbio americano. A condição para assistir a animação era que não fossem captadas imagens. 

O novo Bento nas pranchetas terá três igrejas. Elas estão em ruas diagonais, que se encontram em um cruzeiro – também comum nas cidades do interior mineiro. “Foi um pedido deles que as ruas se encontrassem em um cruzeiro”, diz Pereira. Terá também uma rua central, onde está prevista a área comercial.

A expectativa é de que, decidido o desenho do vilarejo com os moradores, a Fundação passe a definir o projeto de cada casa. A data exata de início das obras, no entanto, ainda não está definida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Bruno Ribeiro e Márcio Fernandes, O Estado de S.Paulo

31 Outubro 2016 | 03h00

MARIANA - Francisco de Paula Felipe, de 47 anos, sabe de cor todas as etapas das reuniões e audiências ocorridas até aqui entre moradores e Samarco para a definição das obras do novo Bento Rodrigues. “Estamos esperando”, diz Felipe, que em Bento trabalhava em uma fazenda de eucaliptos e, agora em Mariana, está desempregado.

Na casa ampla alugada pela empresa, ele vive com as duas filhas e a mulher, Marly, que perdeu a mãe no acidente. “Ela continua indo no psicólogo, porque sente muito a falta da mãe. Teria sido aniversário dela no mês passado, e foi muito difícil”, conta.

A ausência da matriarca é acompanhada de outras coisas que faltam na vida na cidade. A antiga casa tinha frutas, verduras, temperos. “Aqui você tem muito mais gastos. Você precisa comprar tudo. Eu tive de comprar limão outro dia, você acredita? Nunca tinha comprado limão na vida. Se não tinha na minha casa, na da minha mãe sempre tinha.”

Em um pequeno jardim entre o portão de ferro e a parede da nova casa cresce uma pequena horta com cebolinha e outras mudas.

Adaptação. O homem da roça se mostra, por outro lado, reconfortado com a amizade dos vizinhos. Ao se despedir da reportagem, já na porta de casa, ele para e cumprimenta vários deles. “Tem tido muito problema, discriminação, essas coisas. Mas aqui na rua me tratam bem”, afirma. Felipe, no entanto, não hesita em dizer que quer, logo, uma casa que seja dele de novo, em uma vida mais perto da roça.

Uma das coisas boas que fez na cidade com o tempo livre foi aprender a dirigir. “Era um sonho, guiar um carro”, conta, já sorrindo. “Agora, quem sabe, posso ser também motorista.” 

Mais conteúdo sobre:
Samarco Bento Rodrigues Felipe Mariana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Bruno Ribeiro e Márcio Fernandes, Enviados especiais

31 Outubro 2016 | 03h00

MARIANA - A sala escura fica cheia de gente à tarde. Todos sentados, diante da TV. Os familiares da aposentada Orides da Paixão de Souza, de 84 anos, uma das mais velhas sobreviventes de Bento Rodrigues, não costumam sair do casarão onde foram alocados, distante poucos metros da Catedral da Sé de Mariana, no centro histórico da cidade.

“A gente fica aqui vendo TV”, conta a idosa. “Vamos vivendo.” Onze pessoas moram na casa, com sala e quatro quartos, além de um quintal onde seus três netos brincam quando não estão na escola. “Num dia desses, com esse calor, a gente estaria no lago (em Bento Rodrigues). Aqui, a gente fica dentro de casa”, diz um dos netos.

Dona Orides só fala bastante quando lembra o dia da tragédia. Conta como foi levada pelos filhos para o alto e viu a lama cobrir o vilarejo. 

A idosa evita críticas à Samarco. Afirma que a ajuda prometida pela empresa chega em dia. E só responde “não” ao ser questionada se acompanha o andamento dos processos na Justiça. “Eles ainda não pagaram indenização, mas vão pagar”, diz. Ela está ansiosa pelas obras do novo Bento - terá 87 anos quando o serviço terminar. 

O promotor de Direitos Humanos de Mariana, Guilherme Meneghin, afirma que um terço das vítimas acompanha os processos a distância. “Tem gente que nem sabe que o cartão com auxílio mensal e o adiantamento das indenizações foram dados por causa das ações judiciais. Eles pensam que a Samarco está fazendo isso por iniciativa própria.”

Mais conteúdo sobre:
Bento Rodrigues Samarco Justiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Bruno Ribeiro e Márcio Fernandes, Enviados especiais

31 Outubro 2016 | 03h00

MARIANA - Havia um plano sendo bolado um mês atrás entre os sobreviventes de Bento Rodrigues. “A gente ia dormir lá no Bento. Eu decidi que quero dormir lá mais uma noite antes de ser alagado”, conta a auxiliar odontológica Mônica dos Santos, de 31 anos. O plano não deu certo porque um dos moradores do vilarejo morreu no fim de semana em que seria posto em prática.

“Esse que morreu, o Henrique, era um que só falava em voltar para o Bento. Estava juntando umas madeiras e dizia que voltaria para lá por conta própria, para criar seus bichos.” 

Mônica ainda vive em Bento Rodrigues - em sua imaginação. “Sonho com Bento e acordo em Mariana.” Não é raro ela ir ao vilarejo antes ou depois do trabalho e nos fins de semana.

“Não tem um segurança (da Samarco) que me impede de ir. Se chega algum para falar alguma coisa, coitado dele. Porque falo mesmo”, diz, com um sorriso orgulhoso e um olhar bravo. “A gente precisa ir para lá. É como voltar para casa, repor as energias.” No terreno destruído, observa a terra que era dela.

Mônica já trabalhava em Mariana antes da tragédia. Ia e voltava diariamente. Mas era de Bento que gostava.

“Ali é a nossa casa, nossa família, nossas coisas. A lama levou tudo.” O apego ao local é o que a motiva a ser uma das principais vozes contra a construção do dique S4, obra que a mineradora executa entre os destroços e o Rio Gualaxo. “De que jeito eles não vão alagar o que sobrou? Como a gente vai acreditar neles depois de tudo o que aconteceu?”, pergunta. 

Outra frustração é não ter tido a chance de escolher se o novo Bento seria reconstruído no mesmo lugar. “Se está seguro, por que não pode ser lá? Eles não nos deram essa chance. Fizeram eleição para construir Bento em outro lugar. Eu queria lá.”

A Samarco afirma que foi dada a opção para os moradores, mas que havia uma recomendação da Defesa Civil para que Bento fosse abandonado. Os representantes da mineradora, no entanto, reconhecem que o assunto não foi colocado em votação.

Mais conteúdo sobre:
Bento Rodrigues Mariana Samarco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.